Vereador Tom: banqueiros obtém lucros exorbitantes às custa do suor dos bancários. Leia esta e outras notícias da CMFS

Jornal Grande Bahia compromisso em informar
Jornal Grande Bahia compromisso em informar

O Líder da bancada governista, vereador Ewerton Carneiro – Tom – (PTN), hoje (29/09/2010), durante seu pronunciamento na sessão legislativa, teceu críticas aos banqueiros, enfatizando a greve dos bancos, iniciada nesta quarta-feira, em Feira de Santana. Segundo o edil, além de não prestar um serviço de excelência à população, a maioria das instituições financeiras tem lucros exorbitantes à custa do suor dos bancários.

“Esta aí, a quantidade enorme de pessoas nas filas dos bancos, devido à falta de funcionários. Os mega empresários só se preocupam com os lucros. Mais uma vez os bancos estão em greve e os banqueiros não entram em acordo, não dão uma qualidade boa aos seus funcionários e, especialmente, ao usuário que dá lucro”, observa o líder governista.

Na oportunidade, Tom lembrou que a Câmara Municipal tem aprovado vários projetos que visa melhoria no atendimento bancário e a segurança dos usuários dos bancos, em Feira de Santana.

Em aparte, o edil Justiniano França (DEM) disse que todo ano acontece esse mesmo problema. “A população tem que ficar atenta, pois a greve acontece, mas o movimento bancário não para. A gente só não tem acesso, mas quem tem dívidas deve se preocupar, visto que elas estão correndo juros. Me parece que os banqueiros fazem isso para obterem mais lucros porque as agências ficam fechadas, diminuindo assim, as despesas nos bancos”.

Comissão da Câmara cobra melhorias para os cartórios no TJ-BA

Vereadores comentaram, na sessão da Câmara Municipal, desta quarta-feira (29), sobre a reunião que tiveram, na tarde de ontem, em Salvador, com a presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), desembargadora Telma Brito, com o objetivo de cobrar providências para os problemas enfrentados pela população feirense, no que tange aos serviços dos cartórios, situados no Fórum Desembargador Filinto Bastos. A comissão que compareceu a audiência foi formada pelos edis: Justiniano França (DEM), Frei Cal (PMDB), Roque Pereira (PT do B), Roberto Tourinho (PSB), Ailton Mô (PSDB) e Getúlio Barbosa (PP).

“Levamos para a presidente do Tribunal de Justiça da Bahia as reivindicações pertinentes às situações precárias dos cartórios de registro civil de 1º ofício e 2º ofício da Comarca de Feira de Santana, como também os tabelionatos de notas de 1º, 2º e 3º ofício. Mostramos a eminente desembargadora que a população está se deslocando de Feira de Santana para outras cidades, para realizar um simples procedimento de abertura de firma, reconhecimento de firma ou autenticação de documentos”, informou Roberto Tourinho.

O vereador acrescentou em seu discurso: “mostramos ainda a doutora Telma Brito que nos cartórios de registro civil, para uma simples 2ª via de certidão de casamento, certidão de óbito ou certidão de nascimento, as pessoas são obrigadas a chegar às filas, na madrugada, na maioria das vezes, por volta de 5 horas da manhã, onde são distribuídos cerca de 80 a 100 senhas para o atendimento”. Em seguida, Tourinho salientou que a presidente do TJ-BA se mostrou extremamente atenciosa e receptiva a audiência, mas nada, em curto prazo, poderá ser feito, no sentido de amenizar ou acabar com os problemas.

Todavia, Tourinho disse que “a desembargadora ponderou que se encontra na Assembléia Legislativa um projeto de lei, de autoria do Tribunal de Justiça, que cria várias modificações na estrutura do Poder Judiciário. Esse projeto que tramita na Assembléia Legislativa recebeu cerca de 130 emendas dos deputados estaduais. O TJ vai requerer a retirada desse projeto e vai apresentar substitutivo. A desembargadora deseja que o projeto seja votado ainda nesta legislatura”.

O edil ressaltou ainda que a situação dos cartórios baianos é muito grave. “A desembargadora colocou que há municípios firmando convênios com prefeituras para ceder funcionários para os cartórios de registro civil.

“Estamos na expectativa de que o TJ consiga condições para que seja melhorada a situação dos cartórios em Feira de Santana, pois não é novidade a situação de abandono e de peregrinação que os feirenses vêm passando, em decorrência da falta de estrutura”, declarou Ailton Mô, acrescentando que é importante que a comissão da Câmara de Vereadores compareça à Assembléia Legislativa no dia da votação do projeto de lei que propõe a privatização dos cartórios do estado da Bahia.

A Bahia é o único estado da Federação em que os cartórios extrajudiciais são estatizados. Para o edil, a privatização é extremamente essencial para melhorar o desempenho dos serviços. Porém, Ailton Mô também lamenta que o projeto de privatização dos cartórios esteja com 130 emendas. “Eu acho, sinceramente, uma coisa de outro mundo”, reclamou.

Segundo Getúlio Barbosa, na reunião com a presidente do TJ-BA foi confirmado que “a Bahia é um dos estados mais atrasados nessa questão do Judiciário, justamente, pela época do ‘carlismo’. Uma briga pessoal de Antônio Carlos com donos de cartórios de Salvador levou a estatização dos cartórios na Bahia, enquanto outros estados brasileiros avançaram. Antônio Carlos Magalhães foi um dos responsáveis por esse nó, por essa bomba relógio que está prestes a estourar, que é o Judiciário baiano.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114994 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.