Secretário de Comunicação de Salvador renúncia e João Henrique se encontra perdido do ponto de vista administrativo e político

O secretário de Comunicação de Salvador, André Curvelo, renunciou em caráter irrevogável ao cargo. Após a conturbada administração do prefeito João Henrique ter sido multada pelo TCM por autopromoção
O secretário de Comunicação de Salvador, André Curvelo, renunciou em caráter irrevogável ao cargo. Após a conturbada administração do prefeito João Henrique ter sido multada pelo TCM por autopromoção
O secretário de Comunicação de Salvador, André Curvelo, renunciou em caráter irrevogável ao cargo. Após a conturbada administração do prefeito João Henrique, ter sido multada pelo TCM por autopromoção
O secretário de Comunicação de Salvador, André Curvelo, renunciou em caráter irrevogável ao cargo. Após a conturbada administração do prefeito João Henrique, ter sido multada pelo TCM por autopromoção

O Secretário de Comunicação de Salvador, André Curvelo, renunciou ao cargo. Após a conturbada administração do prefeito João Henrique ter sido multada pelo TCM por autopromoção. Não se constituindo na única condenação pelo Tribunal Administrativo.

Henrique tem sido avaliado pelos institutos de pesquisa como um dos piores prefeitos do Brasil. A desastrosa gestão à frente da prefeitura de uma das mais importantes cidades do Brasil, Salvador, tem sido marcada por denúncias de corrupção (Caso TRANSCON), e até mesmo de queima de arquivo (Caso do funcionário da Secretária de Saúde que foi morto).

Filho do senador feirense João Durval, que apoia as candidaturas ao senado de Walter Pinheiro (PT) e Lídice da Mata (PC do B). João Henrique optou, recentemente, por apoiar o candidato ao senado César Borges (PR). Henrique orientou os vereadores que apoiam a mal avaliada gestão a assumirem o apoio ao Partido da República.

O prefeito de Salvador foi eleito em 2004 derrotando Borges. Na época, Borges pertencia ao Democratas e Henrique estava no PDT. Convidado por outro opositor, Geddel Vieira Lima, ingressa no PMDB. Com o mandato na mão faz o que todo “bom político sabe fazer melhor” apoia um parente que não tem qualquer inclinação política durante trajetória de vida, ninguém menos do que a primeira dama de Salvador, Maria Luiza Carneiro, uma ilustre desconhecida dos baianos, até então.

Mas, o DNA do traidor é a traição, e João Henrique com muita dificuldade, e com o decisivo apoio de Geddel Vieira Lima, consegue sair da terceira posição nas eleições de 2008 e vence mais uma vez os opositores Antônio Imabassay (PSDB) e Walter Pinheiro (PT – 2º turno).

Nas eleições de 2010, ou seja, neste exato momento, o prefeito de Salvador empenha-se em reeleger a sua esposa, deputada estadual. Afasta-se do PMDB (Leia-se Geddel) e de forma despolitiza exclui todos os outros candidatos, apoiando unicamente a primeira dama.

Para o bem formado político nas instituições canadenses, João Henrique, é como se a eleição para presidente, governador, senador e federal, pouco ou nenhum valor tenha, afinal ele não é candidato e tão pouco quer ver os seus pares peemedebistas crescerem. Ou seja, não defende partido, ideologia, mas apenas o próprio projeto pessoal de poder, que é chegar ao governo do estado. Neste dia, Triste Bahia.

Você votaria em um político cujo único objetivo é eleger a própria esposa deputada. Sendo ele responsável por defender uma ideologia partidária e por conduzir os interesses do município? Está na hora do povo baiano dar um basta a este patrimonialismo político, e quem sabe o prefeito passe a ter menos denúncias de corrupção, e o governo que administra possa ser melhor avaliado.

Leia +

Salvador | Administração de João Henrique é marcada por atrasos nos pagamentos. Gestores são multados pelo TCM

João Henrique, prefeito de Salvador, não paga empresa e trabalhadores terceirizados ficam sem salários

Escândalo financeiro na prefeitura de Salvador envolve secretário Ricardo Araújo e blogueiro, preso esta semana, João Andrade Neto

A mulher do prefeito João Henrique garante que não vota e nem apoia Geddel

João Henrique se mostra conivente com o escândalo da SUCOM-TRANSCON ao rejeitar o afastamento dos envolvidos

Isolado e insatisfeito o prefeito de Salvador, João Henrique, busca novo ninho político para se abrigar

Executiva do PMDB ameaça com expulsão de João Henrique devido ao seu fraco desempenho na campanha do partido 

Interferência da deputada Maria Luiza na administração de seu marido, João Henrique, provoca o afastamento de Geddel do alcaide

Requer a criação da Comissão de Inquérito para apurar a deficiência da Secretária de Segurança no assassinato do servidor Neylton Souto da Silveira

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9293 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).