Ontem ou hoje? | Por Aloísio Vilela de Vasconcelos

Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

Segundo São João, Jesus foi preso, levado ao Sinédrio e em seguida enviado a Pilatos. Este, após um breve interrogatório, não encontrou no “Meigo Nazareno” nenhum motivo para castigá-lo.
Como se vivia o clima da Páscoa, perguntou a turba a quem deveria conceder a liberdade: se a Jesus ou a Barrabás!

Responderam: “Barrabás”.

Querendo acalmá-los e livrar o Profeta Galileu da crucifixão, determinou que o flagelassem. Quando o viram, ficaram ainda mais enfurecidos e violentos e gritaram a uma só voz: “Crucifica-o! Crucifica-o!”.

O governador romano não querendo aplicar-lhe a pena capital novamente o interrogou: ”De onde és tu?” Mas Jesus não lhe deu resposta. Disse-lhe, então, Pilatos: “Não me respondes? Não sabes que eu tenho poder para te libertar e poder para te crucificar?” Respondeu-lhe Jesus: “Não terias poder algum sobre mim, se não te fosse dado do alto; por isso, quem a ti me entregou tem maior pecado”.

“Não terias poder algum sobre mim, se não te fosse dado do alto; por isso, quem a ti me entregou tem maior pecado”. Isto é o que há mais ou menos dois mil anos escutamos ou lemos. Mas, por que o Mestre disse isso? A quem se referia? Note-se que a palavra “alto” está escrita com “a” minúsculo. Esta particularidade indica que Jesus não se dirigia a seu Pai ou aos Poderes Divinos, mas ao vulgar, efêmero e podre poder terreno.

Então, quando diz “Não terias poder algum sobre mim, se não te fosse dado do alto” há uma clara referência a César (no caso, Tibério), pois toda autoridade de Pilatos era oriunda dele. A segunda parte da frase “por isso, quem a ti me entregou tem maior pecado” não pode se referir a outros, senão a Judas e aos fariseus: foi Judas quem O entregou aos fariseus e foram estes que exigiram Sua crucifixão.

Se substituirmos “poder” por sistema, não fica difícil descobrir que, atualmente, César representa o Presidente da República e seus cortesãos; Pôncio Pilatos, os governadores e os que gravitam a sua volta; os fariseus, os mantenedores do status quo, ou seja, aqueles que se tornam mais ricos e poderosos através do derramamento ilimitado do “sangue, do suor e das lágrimas” dos menos favorecidos; Judas, todos os colaboradores dos fariseus, isto é, os que existem para “criminalizar a legalidade” e JESUS os milhares e milhares de trabalhadores que se encontram na mais deplorável situação.

SENHOR, se todos os limites foram ultrapassados e o povo ainda continua munido de uma paciência ilimitada, o que mudou com a tua terrível paixão?

*Por  Aloísio Vilela de Vasconcelos

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111072 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]