Ministro Amorim condena a xenofobia e o preconceito no combate ao terrorismo

Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

Nas discussões sobre ações de combate ao terrorismo, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, em Nova York, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, defendeu hoje (27/09/2010) o fim do preconceito e da xenofobia, assim como o esforço em busca da tolerância. O debate

ocorre no momento em que o Irã enfrenta sanções impostas pelo órgão e seguidas unilateralmente por diversos países.

“Devemos nos precaver contra a retórica perigosa e posições de xenofobia e preconceito. A tolerância é a chave para evitar a polarização e o extremismo violento”, afirmou Amorim. “É nosso dever comum prevenir e combater o terrorismo. Estratégias de combate ao terrorismo devem ser baseadas no direito primário e na proteção integral dos direitos humanos de todos os envolvidos.”

O chanceler reiterou ainda que os esforços do Brasil são em favor da busca de soluções contra o terrorismo, mas mantendo a proposta de defesa do desarmamento e o fim das armas de destruição em massa. Segundo ele, as ações devem ser pensadas de forma universal incluindo todos os temas referentes às necessidades urgentes nas sociedades em desenvolvimento e também nas desenvolvidas.

“A plena realização dos direitos humanos universais, incluindo o direito ao desenvolvimento, devem ser parte integrante de todos os esforços para combater a ameaça terrorista”, afirmou Amorim. “O Brasil está plenamente comprometido na busca por uma resposta coordenada e multidimensional para todos os desafios colocados pelo terrorismo. A ONU [Organização das Nações Unidas] deveria estar na vanguarda deste esforço”, disse.

O chanceler afirmou ainda que a Constituição do Brasil, de 1988, em vigência, é clara em relação ao terrorismo. “O Brasil sempre condenou o terrorismo em todas suas formas e manifestações. Nossa Constituição consagra o repúdio ao terrorismo como um princípio fundamental das nossas relações internacionais”, disse ele. “Na luta contra o terrorismo, o Brasil tem uma forte preferência por acordos verdadeiramente multilaterais e negociações.”

Desde 9 de junho, o Irã é alvo de uma série de restrições aprovadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas. Apenas o Brasil e a Turquia votaram contra as sanções, enquanto o Líbano se absteve. As medidas atingem os setores militar e econômico do Irã. Em seguida, de forma unilateral, os Estados Unidos, a União Europeia, a Austrália, o Canadá e o Japão aprovaram mais restrições ao Irã.

Para Amorim, o ideal é buscar uma solução negociada com o Irã para evitar as sanções. O Brasil e a Turquia intermediaram um acordo determinando a troca de urânio levemente enriquecido pelo produto enriquecido a 20% em território turco. Mas a proposta foi rejeitada pela maior parte da comunidade internacional e as sanções foram impostas em seguida. Para os Estados Unidos e os países que o apoiam, o Irã produz secretamente armas atômicas colocando em ameaça o mundo.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106695 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]jornalgrandebahia.com.br.