Indígenas continuam sofrendo em todo o mundo, diz ONU

Índio Shavante fazendo artesanato com a fibra da árvore do Buriti.
Índio Shavante fazendo artesanato com a fibra da árvore do Buriti.

No Dia Internacional dos Povos Indígenas, alta comissária para direitos humanos diz que, apesar de avanços, discriminação e pobreza continuam presentes nas aldeias.

A alta comissária de direitos humanos das Nações Unidas, Navi Pillay, afirmou que o mundo não pode ser complacente com o sofrimento dos povos indígenas.

Numa nota para marcar o Dia Internacional dos Povos Indígenas nesta segunda-feira, Pillay disse que pobreza, marginalização e violações de direitos continuam presentes na vida dos índios.

Indefinição

Para a alta comissária, existe um abismo entre os princípios da Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas e a realidade das aldeias.

A líder indígena Miriam Terena disse à Rádio ONU que no Brasil, não existe muito motivo para comemorar por causa “da indefinição na distribuição de terras”.

“Primeiramente a questão territorial. Não queremos terra, ouro nada. Queremos as nossas terras, viver no habitat natural. Mas infelizmente isso não está ocorrendo. Não existe muita comemoração”, disse.

Parceria

Segundo Miriam Terna, o Brasil tem 250 povos e 190 línguas indígenas.

A alta comissária da ONU terminou sua nota dizendo que indígenas em todo o mundo continuam sofrendo em várias áreas com saúde, educação e meio ambiente.

Navi Pillay pediu que o mundo redobre seus esforços por o que ela chamou de uma parceria pela ação e dignidade a favor dos indígenas.

*Com informações da Rádio ONU

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112720 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]