A Orquestra de Deus | Por Aloisio Vilele de Vasconcelos

Dizem que quem canta e toca para Deus são nove – Anjos, Arcanjos, Principados, Virtudes, Potências, Dominações, Tronos, Querubins e Serafins – das infinitas categorias de seres que constituem a existência de vida paralela e que pertencem ao Universo da Criação e não ao da Evolução.
No entanto, depois da belíssima e indescritível sonoridade que ouvi fiquei pensativo, pois não mais tinha certeza que os músicos e cantores de Deus se resumiam as citadas hierarquias.
Estava na Viçosa. Dormia, levemente, com as janelas abertas. O tempo estava pardo porque aguardava a barra do dia. Para minha surpresa, com sua tímida claridade, comecei a escutar um coro. Um coro não formado por seres celestiais, mas pelo canto de dezenas e dezenas de pássaros. Uns simplesmente cantavam enquanto outros pareciam tocar um instrumento. A harmonia era tão sublime que mais parecia uma orquestra divina.

Mas, por que cantam se destruíram seu lar, as matas, assassinaram seus filhotes com herbicida e os obrigaram a viver nas raríssimas e perigosas árvores das cidades? Por que cantam nas nossas Sodomas e Gomorras se só os puros entendem a linguagem dos Anjos e os perfeitos ouvem o chamado de Deus?

Cantam para dizer ao Criador que, apesar da podridão humana aqui ainda existe pureza; cantam para acalmá-Lo por termos transformado nosso belo Planeta na mais imunda das fossas; cantam para consolá-Lo por trocarmos nossas vestes espirituais por imprestáveis vestes materiais; cantam de alegria por Ele permitir que mais um dia amanheça; cantam para pedir mais paciência para conosco por vivermos nos digladiando e destruindo a Criação; cantam alfim, para alegrar o que resta da Natureza.

Talvez cantem porque minha Divina Mãe, a Rainha do Céu, queira dizer que apesar de minha solidão, não estou só.

O tempo passa, o dia vai amadurecendo. O canto dos pássaros vai, paulatinamente, sendo substituído pelo insuportável e infernal som dos carros de propaganda política que anunciam: “com fulano, nada mudou e nada vai mudar”; “beltrano, nada fez e assim vai continuar”; “cicrano, prometeu e não cumpriu, este merece seu voto”.

Que grande porcaria!

Vivemos num mundo onde a verdade, a harmonia e o canto divino são substituídos pela mentira, desunião e aterradora voz de Lúcifer e ninguém se revolta porque há esse direito.
Um direito que não se discute se cumpre. Mesmo que seja para substituir o canto dos Anjos pelo dos demônios e a bondade de Deus pela maldade do Diabo.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111021 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]