Site sem fins lucrativos está por trás do maior vazamento da história da inteligência

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

O Wikileaks, que já chamou atenção este ano por publicar imagens de um ataque americano que matou jornalistas iraquianos e um fotógrafo da Reuters, divulgou o “Diário de Guerra no Afeganistão”, uma coleção de mais de 91 mil documentos militares confidenciais sobre a guerra naquele país. O feito é considerado uma vitória para o jornalismo, embora tenha sido criticado “como um ato irresponsável que põe em risco a vida de soldados americanos”.

Com o objetivo de gerar publicidade, os documentos foram liberados antecipadamente para o New York Times, o inglês The Guardian e o alemão Der Spiegel, com a única restrição de que não fossem publicados antes de 25 de julho. Os documentos incluem relatos de mortes de civis nas mãos das forças da coalizão, assim como indícios de que o Paquistão tem ajudado os insurgentes. Também revelam a existência de uma unidade secreta responsável pela captura e o assassinato de líderes da Al Qaeda e do Taliban.

O governo americano condenou o vazamento de informação, argumentando que ele põe em risco a segurança nacional. Segundo o jornal The Guardian, o ministro de segurança do Reino Unido disse que o vazamento é preocupante: “os sistemas militares devem ser seguros, pois a vida das pessoas está em jogo”. O New York Times cita um memorando da Casa Branca dizendo que o “WikiLeaks não é uma fonte de notícias objetiva, mas uma organização que se opõe à política dos EUA no Afeganistão”.

No entanto, muitos elogiaram o vazamento como uma vitória para o jornalismo investigativo. Outros estão mais impressionados com a forma de fazer jornalismo do WikiLeaks: a informação obtida é resultado da colaboração massiva de pessoas que revelam informações anonimamente. Os dados são logo publicados em seu formato original, sem grandes edições. Jay Rosen, professor da Universidade de Nova York, classifica o WikiLeaks como a “primeira organização de notícias apátrida”, fora do alcance de restrições governamentais.

Independentemente do nome dado a esse tipo de jornalismo, o WikiLeaks conseguiu gerar uma cobertura considerável do tema na imprensa internacional. Alexis Madrigal, doAtlantic, descreve a fórmula assim: “o site, misterioso, fornece dados brutos; os jornais fornecem contexto, confirmação, análise e distribuição.

Outras notícias relacionadas:

Diários de guerra do Afeganistão: a história por trás do maior vazamento na história da inteligência (The Guardian)

Islândia quer virar santuário mundial da liberdade de imprensa (Knight Center)

O homem por trás do Wikileaks (Vanity Fair)

*Com informações do Centro Knight

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 122986 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.