Governo da Bahia entrega Casa das Sete Mortes restaurada

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Casa das Sete Mortes, Centro Histórico do Pelourinho, Salvador.
Casa das Sete Mortes, Centro Histórico do Pelourinho, Salvador.

Cercada por muitas lendas, a Casa das Sete Mortes, localizada na rua do Passo, n° 24, no Centro Histórico, foi reinaugurada, nesta quinta-feira (01/07/2010), pelo Governo da Bahia. Para a restauração foram investidos R$ 3,1 milhões do Programa de Desenvolvimento do Turismo no Nordeste (Prodetur 2), com a contrapartida do governo estadual e aporte do Banco do Nordeste (BNB).

A obra faz parte do Plano de Reabilitação do Centro Antigo de Salvador (CAS) e segue a proposição de número seis, que trata da qualificação dos espaços culturais e monumentos. De acordo com o diretor-geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural do Estado (Ipac), Frederico Mendonça, a Casa estava em estado de arruinamento total. Devido à situação, os restauradores e engenheiros precisaram reconstruir todos os itens estruturais e artísticos da antiga edificação.

O conjunto de azulejos, que reúne exemplares dos séculos 17, 18, 19 e 20, também passou por restauro. A ação teve três fases, como explica o arquiteto Adolfo Roriz, responsável pelo gerenciamento da obra. Outro processo foi a reintegração cromática a quente – todas as lacunas dos azulejos são reintegradas com tinta para cerâmica e levadas ao forno.

Até então, todo o processo de reintegração era feito a frio como pintura normal, mas, neste caso, foi utilizada tinta para cerâmica na recomposição das falhas, efetuando queima a 900 graus juntamente com a pintura original, criando fato inovador, um corpo uno da peça, muito mais resistente e duradouro. Dessa forma, a parte restaurada se integra com a pintura original.

Segundo o secretário da Cultura, Márcio Meirelles, esse é o terceiro grande monumento restaurado e entregue pelo governo no Centro Histórico da capital baiana. O último foi o Palácio Rio Branco – primeira casa governamental do Brasil -, reinaugurado com a presença do presidente Lula, no dia 10 de junho.

No total, seis monumentos serão recuperados no Centro Histórico, ao custo total de R$ 20 milhões. Ainda estão em obras, a igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, construída a partir de 1704 por uma das primeiras irmandades de escravos do Brasil, a igreja e cemitério do Pilar, de meados do século 18, e o Oratório da Cruz do Pascoal, de 1743, que será reformado no segundo semestre deste ano.

História

A Casa das Sete Mortes foi decretada Patrimônio Nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 1943. Dentre as várias lendas que existem sobre o nome, o real está documentado no Arquivo Público da Bahia e registra que, em 1756, foram ali assassinados a facadas o Padre Manuel de Almeida, dois escravos negros e um homem pardo liberto. A apuração durou anos, variando os acusados, sem punir ninguém. A casa tem na fachada principal sete entradas, três portas, na parte inferior, e quatro janelas, na superior.

Interior da Casa das Sete Mortes, Centro Histórico do Pelourinho, Salvador.
Interior da Casa das Sete Mortes, Centro Histórico do Pelourinho, Salvador.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113513 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]