Bahia ganha 15 novos frigoríficos e avança com novo modelo de gestão em frigoríficos municipais

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

15 novos frigoríficos

“O governo do Estado está realizando o maior feito da pecuária dos últimos anos”, disse nesta terça-feira, (20/07/2010) o secretário estadual da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, ao assinar com 15 prefeituras termo de compromisso para a implantação, através da Agência de Defesa Agropecuária, Adab, de 15 unidades frigoríficas de abate. “Associamos fiscalização com desenvolvimento”, disse o diretor geral da Adab, Cássio Peixoto, acrescentando que os novos abatedouros vão se somar aos 30 existentes, ampliando o combate ao abate clandestino, garantindo carne saudável e de qualidade na mesa do consumidor. Com planta padrão desenvolvida pela Seagri, os novos abatedouros são modulares e terão capacidade para abater de 30 até 100 animais por dia. Este projeto está sendo executado com parceria dos ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário.

A planta padrão está à disposição, gratuitamente, das prefeituras, e acessível também à iniciativa privada. O principal objetivo dessa medida inovadora, e já referenciada pelo Ministério da Agricultura, é criar micro pólos de abate, fortalecer as cadeias produtivas regionais, melhorar a qualidade da carne, combater o abate clandestino no Estado, além da gerar emprego e renda para a população.

Contando com a presença da secretaria da Casa Civil, Eva Chiavon, corpo técnico da Adab e representante do Sebrae, o secretário e o diretor geral da Adab realizaram uma reunião técnica com os prefeitos dos municípios de Itanhém, Barra, Santa Rita de Cássia, Medeiros Neto, Valente, Iguaí, Araci, Itaberaba, Jaguaquara e Paramirim para a elaboração do modelo de gestão. Os novos frigoríficos deverão ser geridos por cooperativas, com a participação de pecuaristas, das prefeituras e de marchantes, a exemplo do que já acontece com o abatedouro de Pintada. “Estamos investindo dinheiro público, e queremos garantir que os frigoríficos terão perenidade”, disse o secretário. As outras unidades, com capacidade de 100 animais/dia, serão implantadas nos municípios de Bom Jesus da Lapa, Valença, Remanso, Morro do Chapéu e Itabuna.

“É preciso lembrar que governa melhor quem não governa sozinho”, ressaltou a secretária da Casa Civil, Eva Chiavon, destacando que as ações só alcançarão êxito se as prefeituras atuarem em conjunto. Para ela, a implantação dos novos frigoríficos, que faz parte do Programa de Regionalização do Abate, representa um grande avanço para a pecuária baiana. De acordo com o secretário Eduardo Salles, os 15 municípios onde as novas unidades serão instaladas foram definidos depois de um estudo das zonas do Estado que mais necessitavam do equipamento, em função das distâncias dos já existentes e do rebanho da região.

Os novos frigoríficos serão construídos baseados numa planta padrão desenvolvida pela Seagri/Adab, respeitando as exigências da Portaria 304 do Ministério da Agricultura, que regula o abate de bovinos, caprinos e ovinos, visando combater o abate clandestino, e impõe normas à construção dos equipamentos e a existência de câmaras de refrigeração. Além de ser mais barata, com custo em torno de R$ 1,2 milhão, (quando era voz corrente que não se construía com menos de R$ 5 milhões), a planta padrão contempla características peculiares, como o aproveitamento das vísceras brancas e vermelhas, que no interior do Estado é feito pelas mulheres, chamadas de fateiras. “É uma identidade cultural, e com os novos frigoríficos estamos dando oportunidades e dignidade a estas profissionais para que esse produto chegue à mesa do baiano com mais qualidade”. As vísceras são usadas em pratos como dobradinha e sarapatel.

PROJETO MODELO

O diretor geral da Adab, Cássio Peixoto, afirmou que “este é um momento muito importante para a pecuária baiana. Estamos conseguindo transformar a realidade de diversos municípios, levando um projeto único e impar de modernização e descentralização do abate, permitindo a inclusão social, levando carne com qualidade, e coibindo o abate clandestino na Bahia”. Este projeto, completa o secretário Eduardo Salles, terá o governo municipal como maestro e vai gerar empregos e renda, além de estimular a formação de cooperativas e associações.

O secretário lembrou ainda que a elaboração do projeto começou a partir da primeira edição do programa Seagri Itinerante, quando todo gabinete da secretaria foi instalado na região Oeste. “O prefeito de Barra nos relatou a dificuldade que estava tendo no município com a ação do Ministério Público, que queria fechar os matadouros. Abrimos diálogo com o então chefe do MP. Lidivaldo Brito, e solicitamos um tempo para encontrar a solução”, lembrou o secretário.

“A pecuária é a atividade mais importante do nosso município, formada por pequenos produtores. Agora eles poderão com tranqüilidade continuar no setor, que é o mais significativo para a nossa economia”, disse o prefeito de Barra, Artur Silva Filho. O prefeito destacou que sem essa solução a pecuária poderia acabar no município.

DESCENTRALIZAÇÃO

O modelo defendido pela Seagri é inverso ao praticado no passado, que era a centralização do abate através de grandes frigoríficos e entrepostos. Já na visão atual, a centralização peca por não contemplar os pequenos pecuaristas, que não conseguem despertar o interesse dos grandes frigoríficos para seus animais que eventualmente não se enquadrem nas exigências de carcaça ideal.

No modelo de descentralização, o abate acontece na própria região do produtor, inserindo todos os pecuaristas, grandes e pequenos, reduzindo os custos do frete dos animais, que muitas vezes inviabiliza o abate.

Modernização

A expectativa da Adab é estimular a implantação de novas plantas frigoríficas no Estado, fomentando a modernização do parque industrial já existente. “O projeto traduz a oferta de produto sem riscos à saúde pública e o meio ambiente, representando um aumento de divisas para o Estado com reflexos sócio-econômicos positivos”, salienta o diretor Geral da Adab, Cássio Peixoto que apresentou o Projeto de Descentralização do Abate para os prefeitos. O grande desafio agora é fortalecer toda a cadeia produtiva da carne, propondo um modelo arrojado para o desenvolvimento do sistema de abate de forma sustentável no território baiano.

“Já está à disposição das prefeituras, dos produtores e dos empresários, gratuitamente, uma planta padrão de frigoríficos, observando todos os critérios que podem garantir a qualidade e a sanidade da carne”, explica o diretor de Inspeção da Adab, Paulo Emílio Torres, ressaltando ainda que a elaboração desse projeto irá suprir a demanda de carne das localidades circunvizinhas às regiões estratégicas onde já existem matadouros frigoríficos.

 Bahia avança com novo modelo de gestão em frigoríficos municipais

Um novo modelo de gestão para o funcionamento dos frigoríficos municipais foi apresentado hoje (20), pela Secretaria da Agricultura (Seagri) através da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab). Em parceria com o Sebrae, a iniciativa pioneira do Estado vai permitir descentralizar os polos regionais de abate, estimulando assim, a implantação de novas unidades frigoríficas, que passarão a contar com a participação de prefeituras, marchantes e magarefes numa gestão cooperativa em 15 cidades do interior.

O principal objetivo dessa medida inovadora, e já referenciada pelo Ministério da Agricultura, é criar micro polos de abate, fortalecer as cadeias produtivas regionais, melhorar a qualidade da carne, combater o abate clandestino no Estado, além da gerar emprego e renda para a população.

A ação faz parte do Programa de Regionalização do Abate cuja meta é disponibilizar frigoríficos próximos às áreas de produção pecuária na Bahia. “Com isso, damos um passo essencial para descentralizar o setor e minimizar o percentual de abate clandestino no Estado, ao mesmo tempo em que oferecemos às prefeituras um modelo de gestão compartilhada que dará sustentabilidade ao abate tecnificado em nosso território”, enfatizou o secretário da Agricultura, Eduardo Salles, durante a reunião de trabalho que contou com a presença dos prefeitos de Arací, Barra, Bom Jesus da Lapa, Iguaí, Itaberaba, Itabuna, Itanhém, Jaguaquara, Medeiros Neto, Morro do Chapéu, Paramirim, Remanso, Santa Rita de Cássia, Valença e Valente.

Na ocasião os participantes assinaram um termo de compromisso com a Seagri e a Adab, estabelecendo as responsabilidades de cada município para o sucesso do projeto. “Mas é preciso lembrar que governa melhor quem não governa sozinho”, ressaltou a Secretária da Casa Civil, Eva Chiavon, destacando que as ações só alcançarão êxito se as prefeituras atuarem em conjunto.

Os recursos necessários para a implementação do projeto, alocados via Casa Civil junto ao MAPA, já estão disponíveis na Caixa Econômica Federal. Após a construção dessas 15 novas unidades, a Bahia terá 45 frigoríficos, com capacidade para abater entre 30 a 100 animais/ dia, certificados pelos serviços de Inspeção Federal e Estadual (S.I.F e S.I.E).

Projeto – A expectativa da Adab é estimular a implantação de novas plantas frigoríficas no Estado, fomentando a modernização do parque industrial já existente. “O projeto traduz a oferta de produto sem riscos à saúde pública e o meio ambiente, representando um aumento de divisas para o Estado com reflexos sócio-econômicos positivos”, salienta o diretor Geral da Adab, Cássio Peixoto que apresentou o Projeto de Descentralização do Abate para os prefeitos presentes. O grande desafio agora é fortalecer toda a cadeia produtiva da carne, propondo um modelo arrojado para o desenvolvimento do sistema de abate de forma sustentável no território baiano.

“Já está à disposição das prefeituras, dos produtores e dos empresários, gratuitamente, uma planta padrão de frigoríficos, observando todos os critérios que podem garantir a qualidade e a sanidade da carne”, explica o diretor de Inspeção da Adab, Paulo Emílio Torres, ressaltando ainda que a elaboração desse projeto irá suprir a demanda de carne das localidades circunvizinhas às regiões estratégicas onde já existem matadouros frigoríficos.

A planta mínima padrão dos frigoríficos obedece aos preceitos regulamentados pelo MAPA para instalação e funcionamento das unidades, regulando o abate de bovinos, caprinos e ovinos em todo o Estado. As prefeituras municipais interessadas no projeto podem obter informações na Adab.

Sobre Carlos Augusto 9661 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).