Adab acompanha abate bovinos em Feira de Santana como medida preventiva

A Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) acompanhou ontem (29/07/2010), em Feira de Santana, o abate inspecionado do primeiro lote de seis animais que ingeriram ração com proteína de base animal, da popularmente conhecida “cama de frango”. A medida preventiva, orientada pela legislação do Ministério da Agricultura e organismos internacionais, visa evitar a transmissão de doenças a outros animais e zelar pela segurança alimentar da população.

Outros dois lotes de animais aguardam o resultado de uma contra prova para detectar a presença da proteína animal. Em caso positivo, a Agência realizará o mesmo procedimento de abate.

“A Bahia foi a primeira Unidade da Federação a determinar, através da Portaria Estadual nº 441/2008, a proibição da cama de frango” salientou o diretor de defesa sanitária animal da Adab, Rui Leal, que junto ao médico veterinário José Neder, esteve presente no frigorífico Frifeira, garantindo a eficácia da ação, em todas as etapas do abate.

Médicos Veterinários da Adab continuam em campo, coletando amostras de alimentos para análise, a fim de verificar a utilização da cama de frango, com especial atenção nos períodos secos do ano, quando prática é mais acentuada para complementar a alimentação do gado.

Cama de frango – A prática se dá através da utilização de dejetos, penas e resíduos de ração acumulados nos pisos das granjas para alimentar o gado. Apesar de ser uma opção mais barata, a complementação alimentar dos bovinos com produtos e subprodutos cuja composição contenha proteína ou gordura de origem animal, pode transmitir a Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), mais conhecida como “Mal da Vaca Louca”, doença de importância econômica que afeta a saúde pública.

Para evitar que essa realidade mundial chegue ao Brasil e na Bahia, a Adab vem realizando um intenso trabalho de fiscalização nas propriedades e campanhas de esclarecimento junto aos produtores. Também foi proibida a importação de animais vindos de países com registro da EEB e, periodicamente, a Adab realiza fiscalizações no abate de bovinos, caprinos, ovelhas e bubalinos, além da realização de exames em animais com suspeita de doenças nervosas.

Ao ser constatado o uso de subprodutos animais na ração, os mesmos serão isolados e encaminhados ao abate em frigoríficos do Sistema de Inspeção Federal (SIF), com aproveitamento da carcaça e a retirada do material de risco. “Os pecuaristas da Bahia que insistam em alimentar o gado com subprodutos de aves e suínos podem ter seus animais sacrificados e destruídos na propriedade sem direito a indenização, tendo como base a Instrução Normativa nº 41, de outubro de 2009 do Ministério da Agricultura”, adverte o Médico Veterinário da Adab José Neder.

Sobre Carlos Augusto 9463 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).