Domingos Leonelli apresenta anteprojeto em forma de PPP, para construção da Cidade da Música em Salvador e Parque Rural Estadual em Feira de Santana

Domingos Leonelli Netto, secretário estadual de Turismo. da Bahia.
Domingos Leonelli Netto, secretário estadual de Turismo. da Bahia.

A discussão sobre um grande espaço para megaeventos em Salvador, já se desenvolve há alguns anos. O ex-secretário de Turismo da Bahia, Domingos Leonelli, já apresentou ao governador Wagner o anteprojeto da Cidade da Música, no espaço que hoje abriga o Parque de Exposições, o que, de certa forma, coincide com a proposta que foi feita para a mesa diretora da Câmara Municipal de Salvador. Com o custo estimado em 300 milhões de reais, a Cidade da Música poderia ser implantada em regime de parceria público privada

O Projeto da Cidade da Música prevê a implantação de uma grande arena para 70 mil pessoas, estacionamento subterrâneo para oito mil carros, casa de espetáculos para 15 mil pessoas, um anfiteatro para seis mil espectadores, centro de formação profissional para música, áreas específicas para as várias manifestações musicais da Bahia: samba, forró, música afro, axe, rock e reggae. O espaço pode contar com restaurantes, bares, centro de entretenimento, lojas especializadas em música e poderá, também, abrigar o Museu do Carnaval, explica.

“A proposta já foi entregue ao governador Jaques Wagner e representa uma dupla ampliação do potencial turístico da Bahia. Ao tempo em que insere a cidade de Salvador e o estado da Bahia no roteiro dos grandes shows internacionais e acrescenta, pelo menos mais um dia, a presença dos turistas na Bahia”, explica Leonelli. A Cidade da Música implica também na criação de um novo polo turístico para o estado: A cidade de Feira de Santana como sede principal do agroturismo, do show business ligado a rodeios, vaquejadas e exposições festivas.

Segundo o ex-secretário, com a Cidade da Música e o Parque de Exposições da Bahia ampliado, em Feira de Santana, a Bahia receberia dois importantes incrementos estruturais para o turismo, consolidando sua condição de campeã da preferência nacional dos turistas e diminuindo a distância entre o terceiro e o segundo lugar, em relação ao Rio de Janeiro, na recepção de turistas nacionais e estrangeiros.

Ainda de acordo com Leonelli, a implantação da Cidade da Música na área de 280 mil m² na avenida Paralela, parece ser a melhor alternativa urbanística para a cidade de Salvador, que sempre teve na música o seu principal elo na cadeia da economia da cultura. Neste espaço dedicado a grande vocação artística da cidade poderão ser implantados, também, hotéis, escola técnica, uma tenda multiuso para eventos de dimensão superior as suportadas pelo Centro de Convenções e há ainda a sugestão de um teleférico que saia do atual Parque de Exposições e vá até a Lagoa do Abaeté. Os blocos de Carnaval, grupos de samba e de forró poderão acrescentar nas suas atividades cotidianas a produção de souvenirs e instrumentos musicais à venda para turistas e baianos. No prédio destinado a escola técnica, estúdios de ensaio e gravação, cursos de qualificação profissional para iluminação, sonorização, cenografia e produção, oficina de luthieria.

O ex-secretário Domingos Leonelli conta que, logo no início do mandato, foi procurado por empresários do cluster de entretenimento da Bahia com a ideia de uma implantação de uma casa de espetáculo no Parque de Exposições. Mesmo considerando boa a ideia, Leonelli ponderou que esta era uma solução limitada e que atendia apenas ao interesse de um ou dois grupos empresariais. “Sugeri então, a este mesmo grupo, a ideia da Cidade da Música, ocupando todo o espaço do atual Parque de Exposições e transferindo este parque para Feira de Santana, já que dos 32 eventos realizados por ano no Parque de Exposições, 29 eram eventos musicais e apenas três eram eventos agropecuários. Eu já recebi de dirigentes do BID manifestação de interesse para o financiamento público ou privado do empreendimento. Tenho certeza que esse será um dos projetos mais importantes a serem implantados no segundo governo Wagner”, conclui Leonelli.

Resumo Executivo Anteprojeto da Cidade da Música Dorival Caymmi

Projetos Simultâneos

Cidade da Música Dorival Caymmi – Salvador – BA

Parque Exporural – Feira de Santana – BA

Objetivo Geral

Consolidar a Bahia e Salvador como destino turístico musical e transformar Feira de Santana em um destino turístico agropecuário.

Descrições

Cidade da Música Dorival Caymmi – Este projeto consiste na transformação do espaço do atual Parque de Exposições Agropecuárias de Salvador em um espaço integrado para eventos múltiplos e equipamentos relacionados à indústria do entretenimento, denominado “Cidade da Música Dorival Caymmi”.

Parque Exporural – Considerando a característica de Feira de Santana como portão de entrada do Interior, transformá-la em novo destino turístico da Bahia, dos rodeios, vaquejadas, musica “country” e sertaneja.

Justificativa

Sabe-se que nos últimos anos o uso do Parque de Exposições de Salvador, esteve muito mais relacionado com a realização de eventos musicais e culturais, a exemplo do Festival de Verão, do Arraiá da Capitá e de grandes shows de artistas baianos, que já se tornaram parte do calendário de eventos culturais e turísticos de Salvador. Em reunião mantida ao final de 2007 com o Diretor Geral da Secretaria de Agricultura, responsável pela administração do Parque, este confirmou tal situação citando os números de 2006: apenas 3 dentre os 26 eventos tiveram caráter agro-pecuário.

Outro aspecto importante é que este espaço não oferece as condições adequadas para esses eventos musicais e isto tem inibido a realização de um calendário turístico-cultural mais permanente e que seria capaz de contribuir com a atração de fluxos turísticos com motivação de entretenimento e cultura.

A Cidade da Música Dorival Caymmi contemplará espaços físicos para a grande diversidade cultural da Bahia, com o Axé, a música afro baiana, o samba, o forró, o rock da Bahia, o jazz e as manifestações folclóricas.

Adicionalmente, o projeto fomentará o fortalecimento da cadeia produtiva do setor musical na Bahia através de uma série de atividades que incluem tanto treinamento e assistência técnica para artistas locais, bem como atividades de promoção e comercialização da produção musical, através da implantação de estúdios de gravação e o emprego de novas tecnologias, como o comércio eletrônico.

Finalmente, deve ser destacada a privilegiada localização e dimensão do espaço físico, de 280.000m2, em uma das pontas da Av. Paralela, a principal via de conexão da cidade com o Aeroporto e o marco do seu crescimento no vetor norte. Efetivamente, vários equipamentos privados (condomínios, universidades, shoppings, lojas de varejo e departamento, etc) e públicos (dos quais os mais relacionados ao tema são os terminais rodoviários) já se implantaram ou planejam se estabelecerem na região.

Do ponto de vista turístico, a localização também é muitíssimo favorável, por se constituir em um dos portais de entrada de Salvador, por estar próximo do aeroporto e da entrada da maior via de acesso à cidade e da rodoviária.

Projeto Complementar ou sub-projeto

Este projeto necessita ser desenvolvido concomitantemente ao projeto “Ampliação e Conversão do Parque de Exposições de Feira de Santana em Parque Turístico Agropecuário da Bahia”, a ser localizado no município de Feira de Santana, zona turística Caminhos do Sertão, a 108 km de Salvador.

Detalhamento do sub-projeto

Ampliação e Conversão do Parque de Exposições de Feira de Santana em Parque Turístico Agropecuário da Bahia

O Parque Turístico Agropecuário da Bahia será localizado no município de Feira de Santana, zona turística Caminhos do Sertão, a 108 km de Salvador. Feira de Santana é a segunda maior cidade da Bahia, considerada o maior entroncamento rodoviário do Estado, detentora de grande movimento de negócios, sobretudo o agronegócio. Nesta região e circunvizinhança se justifica atualmente a existência de um centro de exposições agropecuárias porque se trata de uma das principais vocações econômicas regionais mais relevantes.

Este equipamento poderá atrair novos negócios para a região, dando suporte ao desenvolvimento do turismo de negócios e eventos, forte gerador de emprego e renda, assim como poderá contribuir para o aumento do fluxo de negócios e da permanência desse contingente de visitantes que já se dirige para aquela cidade.

Equipamentos e Intervenções Físicas Previstos no Parque da Música

  • Casa de espetáculos – privado
  • Anfiteatro público – 10.000 pessoas
  • “Arena Axé” para grandes espetáculos ao ar livre, com palco gigante e backstage – público-privado – 25 a 30.000 pessoas
  • Museu da Música e do Carnaval – público
  • Espaços multiuso – feiras, exposições, atividades esportivas
  • Espaço afro baiano (Blocos Afro)
  • Vila do Forró
  • Casa de Samba
  • Espaço do Rock
  • Jazz da Bahia
  • Área dedicada à gastronomia baiana – público
  • Escola de música e de produção técnica musical – som, luz, palco
  • Oficina dos instrumentos (Lutheria) – público
  • Núcleo de qualificação da mão-de-obra – público
  • Dois hotéis: um hotel escola e um hotel executivo em função da proximidade do Aeroporto
  • Estação e sistema de teleférico (avançando sobre dunas e Parque do Abaeté) – privado
  • Ampliação e adequação dos estacionamentos existentes – privado
  • Construção de viadutos e passarelas nas avenidas de acesso ao Parque (Dorival Caymmi e na Paralela)

Formato proposto: PPP no qual alguns equipamentos privados

  • Estado da Bahia: cessão do espaço físico de 280.000m2 e construção de viaduto e acessos na avenida lateral de acesso ao Parque e na Paralela
  • Grupo investidor: implantação dos equipamentos acima e exploração comercial do espaço, em parceria público-privado

Custo Estimado Total, entre R$ 280 e R$ 300 milhões 

Prazos

     Projeto – 3 meses,

     Licitação – 6 meses,

     Implantação modulada – 24 a 36 meses

     Concessão: Vinte anos renováveis por mais vinte

Mostra Arquitetônica Brasileira:  Concurso de projetos arquitetônicos, ambientais e de designers. 

Observações

1 – Vários grupos de investidores já manifestaram interesse no projeto inclusive os componentes da APA (Associação de Produtores de Música da Bahia) que inclui as empresas de Ivete Sangalo, Durval Lelis, Daniela Mercury, Chiclete com Banana etc.

2 – BID manifestou interesse no financiamento do projeto de PPP e no conjunto.

Domingos Leonelli Netto, secretário estadual de Turismo. da Bahia.
Domingos Leonelli Netto, secretário estadual de Turismo. da Bahia.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109978 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]