Sergio Rezende afirma que formação de mestres e doutores contribuiu para avanço do país

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.

O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, disse hoje (18/05/2010) que o governo federal e os governos estaduais têm trabalhado na formação de recursos humanos. “Há 40 anos, o Brasil não formava um doutor. Em algumas décadas, chegamos à situação de hoje, em que formamos 12 mil doutores e 40 mil mestres por ano”.

Para o ministro, graças a esses números o país tem avançado significativamente. “O Brasil já produz 2,6% da ciência do mundo. Há poucos anos, em 2003, essa porcentagem era de apenas 1,5%”, disse.

A afirmação foi feita durante cerimônia de comemoração dos 59 anos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), uma das maiores agências de fomento à pesquisa do país. Na ocasião, foram entregues prêmios a estudantes, títulos de pesquisador emérito e menções especiais de agradecimento a instituições que têm atividades de apoio à pesquisa.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10109 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).