Petistas e tucanos partilham prefeituras em 55 municípios brasileiros

Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

Em matéria de autoria de Berha Maakaroum, publicada recentemente no Correio Brasiliense, acena para o fato de que 55 municípios brasileiros petistas e tucanos partilham as prefeituras municipais e trocam juras de lealdade para enfrentar a campanha presidencial. Aliados em torno de objetivos comuns, as polêmicas composições entre estes partidos nas prefeituras facilitam o trânsito político em todas as esferas de governo e, não importa quem vença as eleições em outubro, eles garantem a tranquilidade e o fluxo de verbas federais.

A cidade baiana de Camaçari, é considerada uma das exceções de divórcio litigioso. O prefeito Luiz Carlos Caetano (PT), um dos coordenadores da campanha à reeleição de Jaques Wagner (PT), rompeu com a sua parceira história e vice-prefeita Tereza Cristina Giffoni Vieira (PSDB), porque desta vez, diferentemente de campanhas anteriores, ela irá apoiar José Serra no plano federal e Paulo Souto (DEM) para o governo da Bahia.

Nas pequenas cidades Brasil afora, contudo, o casamento entre petistas e tucanos vai bem. Camaçari a parte, em 27 delas, o PT encabeça o governo e o PSDB tem o vice-prefeito e, em outras 27, a estrutura é inversa. Há ainda 64 cidades governadas por prefeitos petistas que formaram coligação com outros partidos, inclusive o PSDB e outras 126 administradas por tucanos que contaram com o apoio do PT nas eleições de 2008. Entre todos os estados, Minas Gerais apresenta o maior número de governos híbridos: dos 55 casos de administrações que têm o PT ou o PSDB como prefeito e vice-prefeito, 24 são mineiras.

O Estado de São Paulo é onde se verifica maior acirramento entre petistas e tucanos. Tendo como excessão a cidade de Guapiara, na região de Itapetininga — em que tucanos e petistas partilham em harmonia a administração municipal. Com 15.408 eleitores e um perfil econômico agrícola, as receitas correntes de Guapiara giram em torno de R$ 700 mil ao mês, dos quais o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) dá a principal contribuição. “Estamos juntos desde 1996”, comemora o prefeito Flávio de Lima (PSDB), referindo-se ao PT.

No ecletismo político do município, também há espaço para o DEM na aliança. “Estão conosco no governo além do PSDB e do PT, o DEM, o PV, o PSB e o PTB. Oposição aqui são PMDB e PP”, acrescentou Flávio de Lima. O leque de apoios do município para os deputados estaduais e federais será igualmente amplo. “Quem nos ajudou vai ser ajudado. Quem trouxe emendas terá retorno”, avisa o prefeito tucano. Já nas campanhas ao governo de São Paulo e à presidência da República, em princípio, cada qual pedirá votos para o seu candidato. “Os grupos ficam livres. Cada um apoia quem quer. Vou ficar com o José Serra. O vice com a Dilma Rousseff.”

De acordo com a analíse do cientista polictico e professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais Fábio Wanderley Reis essas relações aparentemente inusitadas tem uma explicação. “Os líderes locais jogam e apostam nas maiores possibilidades de viabilizar os interesses do governo. Com bom trânsito nas esferas administrativas, ao exibir realizações, cativam o seu eleitorado e a sua permanência no poder local.”

Na campanha proporcional, há ainda menos constrangimentos. “Temos um grupo de deputados federais e estaduais de diferentes legendas. Aqui não tem paraquedista e nunca faltam emendas orçamentárias para a cidade”, afirma Paulo Henrique. “Nosso grupo se organiza ajudando um pouco cada um. Eu controlo para que um candidato não tenha mais voto que o outro, mantendo o grupo unido”, acrescenta ele, que tem de administrar uma cidade pobre, com 2.682 eleitores, cujas receitas correntes mensais não superam R$ 400 mil, a maior parte composta pelo repasse constitucional do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114863 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.