Pensar a Bahia debate os territórios de identidade

Aproximadamente 400 pessoas participaram, nesta terça-feira (18/05/2010), do ciclo de debates Pensar a Bahia, que chegou a sua quinta edição, tendo como tema central os territórios de identidade como modelo de governança.

Promovido pela Secretaria do Planejamento (Seplan), o ciclo faz parte do Plano Bahia 2023, documento que está sendo elaborado como estratégia de planejamento de longo prazo para a Bahia tendo como horizonte o ano em que o estado comemora seus 200 anos de independência.

Na abertura dos trabalhos, o economista e professor Ignacy Sachs, especialista internacional em Desenvolvimento Sustentável, falou por videoconferência da necessidade de um diagnóstico participativo e factível. “Se a nossa espécie tem a capacidade de pensar o futuro, tem também a capacidade de mudá-lo”.

Segundo o especialista, a economia público-privada exige um planejamento com associação entre um estado proativo, empresários, trabalhadores e a sociedade civil organizada no desenvolvimento de um diagnóstico com a hierarquização das urgências e a identificação dos potenciais ainda não destravados de recursos naturais. “A partir daí, será possível construir planos de desenvolvimento que obedeçam a critérios de ética social, condicionalidade ambiental e viabilidade econômica”.

O secretário de Desenvolvimento Territorial do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Humberto Oliveira, defendeu o território como plataforma de gestão de políticas públicas. “A Bahia saiu na frente na adoção da territorialidade, servindo de exemplo para diversos estados seguirem esta direção e superarem a visão setorial de governo, a partir de ações integradas.

Oliveira defendeu os colegiados como referência de organização na gestão dos territórios e acredita que os mesmos são fundamentais para ampliar a participação da sociedade civil na gestão das políticas públicas.

O primeiro tema da tarde foi a Interiorização e distribuição da riqueza e do desenvolvimento regional, redes e organização territorial, a Bahia rural e o desenvolvimento sustentável. Para o presidente do Conselho de Segurança Alimentar (Consea/BA), Naldison Baptista, é preciso refletir sobre a política de desenvolvimento que queremos.

“Uma das reflexões a ser realizadas é que ainda hoje há um desenvolvimento rural baseado na concentração de terras e riquezas e na destruição dos recursos naturais. Apesar da redução desta visão, ela ainda persiste. Temos que lutar para reconhecer e valorizar os espaços rurais como espaços de vida, o que é estratégico” afirmou Baptista.

Apesar de ainda serem necessários ajustes no processo de diálogo entre governo e sociedade e na política de desenvolvimento territorial baiana e brasileira, o professor da Universidade Federal do ABC (UFABC), Arilson Favareto, comenta a evolução desse processo, no Pensar a Bahia. “Uma das virtudes do programa Territórios da Cidadania, por exemplo, é o governo federal ter criado uma política para áreas interioranas em um ministério forte como a Casa Civil. Entretanto, não fica claro por quais mecanismos irá acontecer as integrações políticas horizontais (entre os ministérios) e a vertical entre a União, Estados e Municípios”, ressaltou Favareto.

O Pensar a Bahia também contou com a presença dos secretários Márcio Meirelles (Cultura) e Edmon Lucas (Desenvolvimento e Integração Regional). Na quarta-feira, o Ciclo de Debates contará com seu sexto módulo, a partir das 8h30, no Fiesta Convention Center, com o tema Políticas Sociais e Direitos Humanos. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 120448 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.