Agressão contra sindicalista volta a repercutir na Câmara. Confira estas e outras notícias da CMFS

Jornal Grande Bahia compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia compromisso em informar.

Agressão contra sindicalista

A agressão física contra o dirigente sindicalista da APLB de Feira de Santana, professor Germano Barreto, ocorrida na última quarta-feira, ao lado da Câmara, por um homem ainda não identificado, voltou a repercutir na sessão de hoje (17/05/2010) na Casa da Cidadania, através dos vereadores Roberto Tourinho (PSB), Getúlio Barbosa (PP) e Marialvo Barreto (PT). A sessão foi acompanhada por vários professores grevistas, inclusive, com a participação do professor agredido.

“A barbaridade que foi cometida contra o professor Germano Barreto não se restringe apenas as agressões físicas a este cidadão. O que a ele foi cometido é um atentado contra o estado de direito democrático. É acima de tudo, um ato que jamais podemos aceitar ou tolerar. Foi uma violência jamais vista ao longo desses anos aqui nesta Casa. Professor Germano, quero transmitir a Vossa Senhoria o meu mais profundo repúdio e indignação a esse ato”, declarou Roberto Tourinho.

O vereador acrescentou: “a Câmara na sua totalidade, ela repugna e se manifesta, visto que esse ato foi um atentado não ao homem Germano, mas a toda a cidade de Feira de Santana”. Na opinião de Tourinho, o sindicalista estava defendendo seus ideais, através de uma manifestação pacifica dos professores. “A ou B podem não concordar, pois vivemos num regime democrático de direito, mas a ninguém é dado o direito de abafar, de calar, de intimidar e de agir com atos ainda do tempo da caverna, completamente inaceitáveis na virada do século”, observa.

Getúlio Barbosa – vereador acusado por Marialvo Barreto de ser o mandante, através do celular, da agressão física contra o sindicalista – justificou as discussões entre ele e Germano, na última quarta-feira. “O fato de eu ter informações dele, fazendo comentários com professores, em setores privados e esses docentes, na escola que minha esposa ensina, constrangê-la a ponto dela já sair duas vezes da sala de aula, eu confesso que fiquei possesso e ia tirar sim satisfação com o professor Germano”.

Na opinião de Getulio, sindicalista não é para fazer comentários a respeito da posição política do vereador. “O professor Germano, ele tem que saber lutar pela categoria, não só salário, mas comandar um sindicato que possa dar melhores condições ao professorado, no sentido de educação continuada. A questão pessoal entre eu e Germano nós poderemos resolver. Volto afirmar que quando eu o encontrar vou tirar satisfação porque ele mexeu com família. Família não se mexe”, disse Getúlio.

O vereador se defendeu das acusações de ser o mandante das agressões físicas. Primeiro, ele enfatizou a entrevista da diretora da APLB, Indiacira Boaventura, no programa de Dilton Coutinho, onde, segundo Getúlio, ela declarou que no movimento de greve havia pessoas infiltradas. Segundo, Getúlio informou que, logo após as acusações que sofreu, ele ofereceu o celular a Marialvo, para que o petista realizasse o trabalho investigativo e, posteriormente, tirar as conclusões. Por último, o vereador ressaltou que o sindicalista apresenta várias versões sobre o caso.

“Todas as minhas listas telefônicas serão entregues quando eu for chamado na polícia. Vários vereadores presentes, que estavam juntos de mim, não ouviram a versão que o senhor conta. O senhor também vai ter que confirmar e vai ter que pagar pelo que o senhor fala que ouviu”, declarou Getúlio referindo-se a Marialvo. Na oportunidade, o vereador disse que a professora Marleide também vai responder na Justiça sobre as acusações que a ele foram dirigidas.

Finalizando, Getúlio mandou outro recado para Marialvo, que é professor de sua filha. “Eu espero que na sala de aula o senhor não constranja a minha filha, que é uma adolescente, pois se o senhor fizer isso, irá responder também por esse constrangimento”, ameaçou.

Marialvo salientou que tem experiência e educação suficiente para não fazer perseguições a nenhum aluno. “Sua filha é uma aluna excepcional. Pode ficar tranquilo Getúlio, não tenho motivo para fazer qualquer discriminação à aluna, até porque pessoalmente com Vossa Excelência nunca tive problema, entretanto, não vou mentir do que eu vi e ouvir. Será minha palavra contra a de Vossa Excelência, só que eu tenho um fato. O nariz de Germano comprova os fatos.

“Eu vou responder um inquérito na corregedoria da Câmara, mas já que Vossa Excelência abriu um inquérito contra minha pessoa, eu vou ser obrigado pedir a cassação do seu mandato de vereador. Eu vou reunir todas as provas contra Vossa Excelência e apresentá-las na corregedoria da Casa”, afirmou o petista.

Coelba e Embasa são alvos de críticas de Bastinho

O vereador José Sebastião – Bastinho – (PRTB), hoje (17), em seu discurso proferido na tribuna da Casa da Cidadania, teceu duras críticas a Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) e a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), enfatizando os reajustes abusivos nas contas dos consumidores feirenses.

No que tange a Coelba, o vereador salientou que a Câmara Municipal, através de audiência pública, discutiu as variações das tarifas públicas cobradas nas contas de energia elétrica. Segundo Bastinho, “as explicações dos representantes da Coelba foram furadas e descabíveis, sobretudo, “quando declaram que um dos fatores que podem interferir no consumo é o aumento da temperatura. Ninguém comeu aquele engodo do pessoal da Coelba”, afirmou.

Bastinho disse que, diante da omissão do Governo do Estado em procurar resolver esse problema, ele chegou à seguinte conclusão: “se aumentou as contas de energia elétrica, consequentemente, o Estado passa a arrecadar mais o ICMS”, observa.

No que diz respeito a Embasa, o vereador denunciou que os consumidores da sede de Feira de Santana tiveram um reajuste em suas contas em mais de 100%. “Será que a Embasa vai também explicar que o aumento se deu em virtude da mudança de temperatura? Será que foi em decorrência de pingamentos nas torneiras das casas?”, ironizou.

Indignado, Bastinho acrescentou mais críticas: “A Embasa não teve pena foi do povo da zona rural, justamente, as pessoas que tem água nas torneiras uma vez por mês”. O vereador justificou sua denúncia, apresentando duas contas de água de um mesmo consumidor. “Mês de abril, o valor da conta de água: 23 reais. Por sua vez, o mês de maio: 256 reais. E ainda a atendente teve a cara de pau de dizer: ‘eu parcelo em 12 vezes esta conta para a senhora’”.

Bastinho considerou a falha do Poder Executivo Estadual nesse caso ainda mais grave, visto que se trata de uma empresa estatal. “Quem administra a Embasa é o Governo do Estado, diferente da Coelba que é terceirizada. Esse reajuste em mais de 1000% é um absurdo, um assalto. Uma pessoa que ganha 500 reais como é que vai pagar 256 reais de conta de água”, questionou.

Dois projetos aprovados pela Câmara foram vetados pelo Executivo; um dos vetos já foi aprovado

O Poder Executivo vetou dois projetos de lei aprovados pela Câmara Municipal nas últimas semanas. Uma das propostas, de autoria do vereador Carlos Alberto Costa Rocha, dispõe sobre a substituição e recolhimento de sacolas plásticas em estabelecimentos comerciais localizados no município. Pela proposição, supermercados, armazéns e outras empresas que utilizam do saco plástico para empacotar mercadorias, teriam a obrigação de, em médio prazo, acabar com o uso do saco plástico.

O outro projeto, de autoria do vereador Ângelo Almeida, propõe criar, em Feira de Santana, um evento cultural denominado Semana do Artista. Seria um período dedicado a realização de acontecimentos culturais na cidade, nas mais diversas áreas.

O projeto que trata da preservação do meio ambiente foi vetado pelo prefeito Tarcízio Pimenta sob o argumento de que é “integralmente contrário ao interesse público”. Os vereadores de oposição não hesitaram em demonstrar a insatisfação com a aprovação do veto, o que ocorreu por decisão da maioria do plenário.

“Hoje em dia, muitos municípios estão aprovando lei dessa natureza”, disse o vereador Marialvo Barreto, ao votar contra o veto. “Já existem plásticos biodegradáveis que podem ser utilizados. Temos exemplos de empresas grandes, que se preocupam com o meio-ambiente, como a Natura. Mas existem grupos que só querem aumentar a produção, sem se preocupar com meio ambiente”, comentou, contrariado.

A segunda matéria sofreu veto parcial, de alguns dos seus artigos. O vereador Ângelo Almeida protestou. Ele declarou que o Executivo sequer se deu ao trabalho de ler atentamente a matéria. “Foram vetados artigos e incisos que não fazem parte do projeto, o que é um absurdo”. Esse veto ainda não entrou em discussão e deve ser pautado para esta terça-feira.

Votação para reajuste dos professores é adiada

Foi adiada a votação do Projeto de Lei do Poder Executivo que concede reajuste salarial dos professores da rede municipal. A proposta é de 4,31%. O adiamento foi pedido pelo vereador e líder do Governo Everton Carneiro, o Tom (PTN), após uma conversa com o prefeito Tarcízio Pimenta. Os docentes compareceram a sessão desta segunda-feira para acompanhar a votação. A categoria reivindica um reajuste de 15%.

“Coloquei para o prefeito as necessidades dos professores e pedi que esse projeto não fosse votado hoje”, reiterou Tom. O vereador Marialvo Barreto (PT) avaliou positivamente o adiamento. “Esse é o processo legislativo. Está havendo o diálogo e entendo que o canal de negociação está aberto com o prefeito”, apontou o petista.

Greve

Os professores da rede municipal estão em greve desde o último dia 10. Apenas estagiários e professores em estado probatório – ainda sem a estabilidade do emprego – estão comparecendo às escolas. Em algumas delas estão acontecendo aulas, mas a diretoria da APLB contesta. Segundo a diretora Indiacira Boaventura, os estagiários não devem dar aula sem a participação dos titulares.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114859 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.