Tesouro gastou R$ 908,2 milhões em subsídios no primeiro bimestre

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Logomarca Jornal Grande Bahia.
Logomarca Jornal Grande Bahia.

Impulsionados pelas políticas de preços agrícolas e de reforma agrária, os subsídios federais iniciaram o ano com crescimento. De acordo com o Tesouro Nacional, o governo gastou R$ 908,2 milhões em subsídios nos dois primeiros meses de 2010, alta de 2,25% em relação aos R$ 888,3 milhões registrados no mesmo período do ano passado.

O maior crescimento ocorreu nas despesas com o Fundo da Terra, que financia programas de reordenação fundiária e assentamento rural com juros subsidiados pelo Tesouro. As despesas com o programa passaram de R$ 124,3 milhões no primeiro bimestre de 2009 para R$ 312 milhões em janeiro e fevereiro deste ano, crescimento de 151%.

Em segundo lugar estão os gastos com a política de preços agrícolas, que incluem os subsídios diretos concedidos aos produtores rurais e a compra de estoques. Os subsídios nessa área somaram R$ 643,6 milhões no primeiro bimestre, 69% a mais que os R$ 380 milhões nos mesmos meses de 2009.

Somente com a equalização (despesa para cobrir os juros mais baixos que as taxas de mercado) de empréstimos diretos, os gastos cresceram oito vezes, de R$ 10,8 milhões em janeiro e fevereiro de 2009 para R$ 86,6 milhões nos dois primeiros meses de 2010. Por meio desses empréstimos, o governo compensa os prejuízos de produtores rurais com preços agrícolas baixos.

Apesar de ter iniciado o ano investindo na estabilidade dos preços agrícolas, o governo federal gastou pouco com os demais tipos de financiamentos rurais. As despesas de equalização dos empréstimos de custeio agropecuário e investimento rural caíram 92%, totalizando R$ 14,2 milhões, contra R$ 193 milhões no primeiro bimestre de 2009.

A queda, no entanto, não significa que o governo não está emprestando nessas linhas de crédito. Na verdade, os números apenas indicam que o Tesouro já terminou de compensar os bancos pelos juros mais baixos oferecidos nos financiamentos.

Outras linhas oficiais de crédito também iniciaram 2010 em ritmo lento. Desde novembro do ano passado, o Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social (PSH), que financia habitação de baixa renda, não registra gastos.

As despesas líquidas com o Programa de Financiamento às Exportações (Proex) caíram R$ 134 milhões na comparação entre o primeiro bimestre de 2009 e 2010. A diferença ocorre não propriamente pela queda na concessão de empréstimos, mas porque os exportadores estão liquidando os financiamentos em ritmo maior que no início do ano passado.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113508 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]