Segurança não pode ser pretexto para impedir acesso à tecnologia nuclear, diz Governo Lula

Líderes mundiais participantes na Cúpula de Segurança Nuclear de 2010.
Líderes mundiais participantes na Cúpula de Segurança Nuclear de 2010.

Segundo nota assinada pelo Governo Lula, durante a Cúpula de Segurança Nuclear de 2010 em Washington, DC, ralizada de 12 e 13 de abril, a Cimeira focada em como a melhor salvaguarda para armas de plutônio e urânio para prevenir o terrorismo nuclear, o Brasil apoia a atuação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) como “única instituição multilateral de escopo universal com competência e experiência no assunto” e defende a cooperação internacional para se atingir os objetivos da segurança nuclear. Afirma ainda que o tratamento adequado às questões de segurança nuclear depende de uma “necessária reforma” de instâncias como o Conselho de Segurança da ONU.

Teor da nota

Não podemos falar em segurança nuclear sem pensar em que tipo de governança global administra a segurança internacional no mundo de hoje. Nas áreas comercial, financeira e de mudança do clima vemos progressos, com o estabelecimento de arranjos mais representativos para lidar com os desafios do mundo atual. Mas na área de segurança internacional isso ainda não vem ocorrendo. Persistem as estruturas e as regras de 1945.

A ONU vem perdendo credibilidade. Ao não contar com um Conselho de Segurança mais representativo e com maior legitimidade – e cada vez mais descompassado com a realidade atual -, as Nações Unidas perdem espaço na governança da segurança internacional. Isso não interessa a ninguém.

O compromisso do Brasil com a segurança nuclear e com o combate ao terrorismo nuclear é inabalável. Reiteramos nosso apoio ao cumprimento do Comunicado Conjunto e do Plano de Ação a serem adotados nesta Cúpula. O Brasil está pronto a cooperar ativamente para um mundo mais seguro, em que – paralelamente à eliminação de todos os arsenais nucleares – os materiais físseis e as instalações nucleares estejam protegidos.

A nota reafirma o compromisso brasileiro de combater o terrorismo nuclear e considera que a “a eliminação total e irreversível de todos os arsenais nucleares” é a melhor forma de se evitar que materiais nucleares caiam nas mãos de terroristas:

O modo mais eficaz de se reduzir os riscos de que agentes não-estatais utilizem explosivos nucleares é a eliminação total e irreversível de todos os arsenais nucleares. É essencial que as armas nucleares, até sua eliminação total, estejam absolutamente seguras. Quanto maior a quantidade de armas nucleares e sua disseminação, maiores as dificuldades e custos associados à sua proteção. O desarmamento nuclear e a não-proliferação constituem componentes essenciais de qualquer estratégia efetiva que vise alcançar os objetivos da segurança nuclear.

Líderes mundiais participantes na Cúpula de Segurança Nuclear de 2010.
O 2010 Cúpula de Segurança Nuclear foi uma cúpula realizada em Washington, DC , em 12 e 13 de abril de 2010. A Cimeira focada em como a melhor salvaguarda para armas de plutônio e urânio para prevenir o terrorismo nuclear .
Presidentes Lula e Nicolas Sarkozy participam da Cúpula de Segurança Nuclear de 2010 em Washington, DC. Realizada de 12 e 13 de abril, a Cimeira focada em como a melhor salvaguarda para armas de plutônio e urânio para prevenir o terrorismo nuclear.
Presidentes Lula e Nicolas Sarkozy participam da Cúpula de Segurança Nuclear de 2010 em Washington, DC. Realizada de 12 e 13 de abril, a Cimeira focada em como a melhor salvaguarda para armas de plutônio e urânio para prevenir o terrorismo nuclear.
Presidentes David Cameron e Lula participam da Cúpula de Segurança Nuclear de 2010 em Washington, DC. Realizada de 12 e 13 de abril, a Cimeira focada em como a melhor salvaguarda para armas de plutônio e urânio para prevenir o terrorismo nuclear.
Presidentes David Cameron e Lula participam da Cúpula de Segurança Nuclear de 2010 em Washington, DC. Realizada de 12 e 13 de abril, a Cimeira focada em como a melhor salvaguarda para armas de plutônio e urânio para prevenir o terrorismo nuclear.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 110984 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]