BRICs são incapazes de promover mudanças significativas, diz Economist

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Logomarca do Jornal Grande Bahia..
Logomarca do Jornal Grande Bahia..
BRICs são incapazes de promover mudanças significativas, diz Economist.
BRICs são incapazes de promover mudanças significativas, diz Economist.

O grupo dos BRICs, formado por Brasil, Rússia, Índia e China, é incapaz de promover mudanças significativas no cenário mundial, afirma uma reportagem publicada na edição desta sexta-feira da revista britânica The Economist.

O texto, intitulado “O Clube dos Trilhões de Dólares”, em referência ao Produto Interno Bruto (PIB) dos países, que ultrapassa os US$ 1 trilhão, afirma que a falta de coerência e a rivalidade entre as nações que compõem o bloco seriam um “obstáculo” para a eficácia do grupo, reunido em Brasília nesta semana.

A revista cita como exemplo dessa falta de coerência o fato de dois países do bloco serem autoritários e dois democráticos, e a ausência de um programa nuclear no Brasil – o único país do grupo que não é uma potência nuclear.

Mas, acima dessas características, a Economist afirma que o maior obstáculo para a coerência do BRIC seria “a rivalidade estratégica”. Segundo a revista, os países cooperam apenas de maneira bilateral e a rivalidade entre Índia e China prejudica a coesão do bloco.

O texto destaca ainda a competição entre os integrantes em mercados de terceiros países e o aumento da compra de produtos exportados de países pobres, criando uma corrida que a revista compara à dos EUA e a União Soviética na Guerra Fria.

De acordo com a reportagem, “mesmo onde os BRICs concordam de maneira geral, os integrantes frequentemente discordam nos detalhes”.

Nesse sentido, estariam, por exemplo, a questão das mudanças climáticas, já que a Rússia faria parte das nações industrializadas pelo Protocolo de Kyoto, com obrigações que os outros membros não possuem.

Economia

Outra grande disparidade mencionada pela revista é a natureza dos modelos econômicos dos países, sendo as de China e Rússia consideradas mais “abertas” e as de Índia e Brasil, mais fechadas.

“As divisões dos BRICs não paralisam o grupo. Os países se uniram para propor a reforma do FMI, por exemplo. Mas elas limitam a eficácia do bloco”, conclui a revista.

Apesar de destacar a importância do bloco, especialmente econômica, e também o apoio dos EUA ao grupo, a Economist afirma que “os BRICs não podem reivindicar coerência legal, histórica ou geográfica, da forma como a União Europeia pode”.

Mas, o texto termina com a conclusão do criador da sigla, o economista Jim O’Neill, afirmando que o bloco é “um bom mecanismo para pressionar os países ricos a mudarem seu papel na administração da economia global mais radicalmente”.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112935 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]