Pesquisa CNI-Ibope detecta avanço de Dilma Rousseff

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.

A candidatura Dilma Rousseff à Presidência da República avançou em três pontos fundamentais: na intenção de votos, na ampliação do conhecimento e na queda da rejeição ao seu nome. A revelação é da Pesquisa CNI-Ibope divulgada em São Paulo nesta quarta-feira, 17 de março de 2010, pelo diretor de Operações, Rafael Lucchesi, e pelo gerente da Unidade de Pesquisas da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca.

Segundo o levantamento, realizado entre os dias 6 e 10 últimos com 2002 entrevistados em 140 municípios, a candidata do PT cresceu 13 pontos porcentuais em relação à pesquisa anterior, de dezembro de 2009, atingindo 30% das intenções de votos contra 17% em dezembro. A ministra-chefe do Gabinete Civil da Presidência da República foi quem mais se tornou conhecida desde dezembro: 44% afirmam hoje conhecê-la bem ou mais ou menos, contra 32% na pesquisa passada. O índice de rejeição dela caiu de 41% para 27%.

Apesar desses avanços, a pesquisa CNI-Ibope aponta que o governador paulista José Serra, provável candidato do PSDB, continua à frente da adversária política, com 35% das intenções de voto, cinco pontos porcentuais acima dos votos para Dilma Roussef, diferença que em dezembro era de 21 pontos porcentuais. Serra registrou queda de três pontos porcentuais sobre a posição anterior, mas continua como o candidato de menor índice de rejeição, com 25%.

Lucchesi atribuiu o crescimento da candidatura Dilma principalmente à exposição pública e ao fato da sua candidatura já ter sido oficializada pelo PT. Destacou que como as eleições, em outubro, ainda estão distantes, os três pontos em que a candidata do PT cresceu são interdependentes, ou seja, a intenção de voto, o maior conhecimento e a queda na rejeição estão relacionados entre si. Renato da Fonseca prevê que, com a oficialização das outras candidaturas e, portanto, maior visibilidade, é possível que as diferenças entre elas se alterem.

Pela primeira vez, a pesquisa CNI-Ibope, que faz a avaliação do governo desde 1996 e inclui pesquisa eleitoral em ano de eleição, levantou a preferência de voto em candidato apoiado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mais da metade dos brasileiros – 53% – prefere votar em candidato apoiado por Lula, 10% disseram que votarão em candidato da oposição e 33% informaram que não levarão em conta a posição do presidente da República quando forem votar. Ainda é expressivo, porém, com 42%, o porcentual de eleitores que desconhece o candidato apoiado pelo presidente Lula.

Aprovação recorde – Na avaliação do governo, a pesquisa CNI-Ibope apontou índice recorde na aprovação do governo, com 75%. A maneira de governar do presidente Lula é aprovada por 83% da população e 77% dos entrevistados confiam no presidente da República. Cresceu também, sobre o levantamento de dezembro, a percepção de que o segundo mandato está sendo melhor do que o primeiro, opinião compartilhada por 49% dos entrevistados.

Sobre Carlos Augusto 9660 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).