Obras da Embasa esburacam ruas de Feira de Santana

Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Obras da Embasa esburacam ruas de Feira de Santana
Obras da Embasa esburacam ruas de Feira de Santana

Obras executadas por empreiteiras contratadas pela Embasa, para implantação da rede de esgotamento sanitário, estão danificando a pavimentação de ruas em vários bairros de Feira de Santana. A baixa qualidade dos serviços de recuperação da pavimentação, tanto asfáltica quanto a paralelepípedo, já notificada à estatal e também às construtoras, vem resultando em transtornos à população e prejuízos ao Município.

Desde o ano passado, o Governo Municipal vem mantendo seguidas reuniões com dirigentes da Embasa e das construtoras visando garantir a manutenção das vias públicas onde foram executadas as obras. Todos os entendimentos para evitar a suspensão das obras, mesmo diante das constantes reclamações de populares, indignados com os transtornos provocados pelos danos deixados nas vias públicas, vêm sendo em vão.

A situação é crítica em diversos bairros da cidade, onde a insatisfação das comunidades reflete o descaso com a qualidade dos serviços públicos ofertados na execução das obras. De Norte a Sul, os transtornos são os mesmos, paralelepípedos soltando, pavimentação cedendo, tubulações estourando, poços de visita arrebentados, além de passeios de várias residências também danificados e restos de materiais e equipamentos espalhados e abandonados.

Um dos bairros mais populosos da cidade, o Tomba enfrenta problemas de grande dimensão com os danos provocados pelas obras da Embasa. Na rua do Salvador, trecho próximo a Escola Municipal Ana Brandoa, tampão cedendo, paralelos soltando e pavimentação cedendo causam indignação a quem passa pelo local e aos moradores.

Próximo, no entorno da praça Áureo Filho, a pavimentação também está danificada e a recuperação deixa a desejar. O piso está desnivelado e cedendo em vários pontos. Logo adiante, na rua Arizona, que liga a praça à rua Papa João XXIII, a lateral da via pública onde foram colocadas tubulações está abrindo uma vala, dificultando o tráfego de veículos, inclusive o transporte coletivo, o que resulta em constantes engarrafamentos, já que os motoristas trafegam em marcha lenta.

Os problemas também são visíveis na rua Itiúba, transversal da Papa João XXIII. Além de pavimentação cedendo, muitos paralelepípedos foram abandonados em cima da calçada, obstruindo a passagem de pedestres. Já na rua Papa João XXIII, placas e cavaletes foram abandonados em cima dos passeios, enquanto a pavimentação da rua também está cedendo. “A qualidade das obras da Embasa é uma porcaria pois esburacaram tudo, acabaram com a pavimentação que era tão boa e ainda deixaram material espalhado por todos os cantos”, reclama a dona-de-casa Gildete Pereira, residente na casa de número 2.164.

A mesma insatisfação é da doméstica Girlane dos Santos Gonçalves. “A Embasa vem esburacando as ruas e deixando abandonadas. Parece até que é pirraça pois quanto mais reclamamos, mais a situasção piora. É um desrespeito aos cidadãos principalmente porque os serviços que a Embasa fornece são todos pagos. E caros, é bom lembrar”, reclama.

Também no bairro do Tomba, a situação é preocupante na rua Torquato, via de acesso ao clube do Serviço Social do Comércio (Sesc). “O serviço está sendo muito mal feito. Por onde a Embasa passa está deixando tudo quebrado, inclusive o passeio. E as ruas estão afundando”, lamenta a comerciante Eliane Trindade Aragão. Transversal, a rua Torre de Pedras também não escapa dos problemas. Neste bairro os danos ainda se estendem à rua do Ouvidor, onde passeio e via pública estão danificados pelas obras.

Mesmos transtornos

No bairro Olhos d’Água os transtornos também são os mesmos. A rua Professor Antônio Garcia está com remendos da pavimentação em desnível e afundando a cada chuva que cai na cidade.
Via de acesso ao conjunto Feira VII, a rua Comendador Gomes está com as obras sendo executadas “a passos de caranguejo”, conforme define a auxiliar de enfermagem Maria José de Cerqueira. “Para nos deslocarmos pelo bairro, temos que fazer um verdadeiro zigue-zague porque várias ruas estão interditadas e danificadas”, disse. A insatisfação dela também se reflete aos problemas na rua São Salvador, onde a pavimentação está cedendo no meio da rua e provocando riscos de acidentes.
Os problemas também são verificados na rua Senador Quintino, tanto no trecho do bairro Eucaliptos, onde a pavimentação está cedendo e abrindo valas, quanto no trecho que passa pelo bairro Olhos d’Água, principamente nas imediações do imóvel de número 1.166, onde a pavimentação está cedendo.

No bairro Gabriela III, a rua Paulo Freire está com a pavimentação asfáltica totalmente esburacando nos locais onde foram remendados pela Embasa. A mesma situação é na rua Primavera e avenida Amaralina, trechos do bairro Sobradinho, onde inclusive poços de visita estão danificados.
No bairro Pampalona, os problemas também se estendem pela rua Primavera e na rua Cristianópolis, onde pavimentação e poço de visita estão danificados e cedendo. Os problemas ainda são verificados na rua Santa Cecília.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111111 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]