Deputado Fernando Fabinho afirma que Tarcízio Pimenta teria rompido com o grupo caso ele não abrisse mão da candidatura a prefeito de Feira de Santana

Deputado Fernando de Fabinho afirmou que tem bom trânsito com todas as correntes partidárias e que busca manter um mandato federal aberto ao diálogo e voltado aos reais interesses do povo brasileiro.
Deputado Fernando de Fabinho afirmou que tem bom trânsito com todas as correntes partidárias e que busca manter um mandato federal aberto ao diálogo e voltado aos reais interesses do povo brasileiro.
Deputado Fernando de Fabinho afirmou que tem bom trânsito com todas as correntes partidárias e que busca manter um mandato federal aberto ao diálogo e voltado aos reais interesses do povo brasileiro.
Deputado Fernando de Fabinho afirmou que tem bom trânsito com todas as correntes partidárias e que busca manter um mandato federal aberto ao diálogo e voltado aos reais interesses do povo brasileiro.

O deputado federal Luiz Fernando de Fabinho Araújo Lima (Fernando de Fabinho, DEM) concedeu entrevista ao Rotativo News (Rádio Sociedade 970 AM). Ao ser questionado por Joilton Freitas, âncora do programa, sobre o fato dele, Fernando de Fabinho, estar ressentido por não ter sido escolhido candidato a prefeito de Feira por José Ronaldo. O deputado respondeu que naquele momento o importante para o grupo era a unidade e que se ele não abrisse mão e impusesse seu nome como candidato, Tarcízio Pimenta teria rompido com o grupo, “o que poderia nos levar a derrota”, explica.

Fernando também afirmou que tem bom trânsito com todas as correntes partidárias e que busca manter um mandato federal aberto ao diálogo e voltado aos reais interesses do povo brasileiro. “O presidente Lula sabe que tenho buscado manter um mandato equilibrado, votado nas proposições de governo que são boas para o povo”, expõe.

Ele foi enfático ao afirmar que não entrou na base do governo para benefício próprio e que solicitou em audiência com Jaques Wagner que duas importantes obras fossem realizadas: O Centro de Convenções e o prolongamento da Avenida Nóíde Cerqueira, ambas em Feira de Santana.

Quanto ao cargo de secretário de governo, Fabinho preferiu ser cauteloso e disse que os cargos estão à disposição do Partido Progressista, presidido por João Leão. “Será o partido que vai indicar os nomes para substituição de Leão (Secretaria de Infraestrutra) e Roberto Muniz (Secretário de Agricultura)”. Embora cauteloso, Fernando aponta durante sua entrevista, para uma profunda aproximação junto ao PP. Mas quando perguntado sobre sua saída do Democratas preferiu tergiversar e disse que precauções jurídicas estavam sendo tomadas antes da mudança partidária.

Quando questionado sobre as eleições municipais de 2012. Agiu de forma pontual e disse que o momento é pra tratar das eleições 2010, “estarei no palanque de Wagner e de Lula, apoiando os candidatos ligados a eles. E veja, outros companheiros estão deixando o DEM a exemplo de José Carlos Araújo”. Quanto a Ronaldo, pergunta Freitas? “Ele é forte emocionalmente e politicamente saberá entender as ações que tomei”, concluí Fabinho.

Motivos

Fernando de Fabinho não explica claramente o que o motivou a deixar 20 anos de militância política ao lado do Democratas. Em todas as entrevistas que tem concedido, busca apenas afirmar que está integrado ao projeto do Partido dos Trabalhadores e que no futuro próximo explicará o que motivou sua saída.

Prefeito de Feira comenta

O atual prefeito de Feira de Santana, Tarcízio Pimenta, foi bastante cauteloso ao comentar sobre a saída de Fernando de Fabinho, “o sentimento é da perda de um importante correligionário político”, declara. Provocado, preferiu a serenidade respondendo que a decisão dele, Fernando de Fabinho, é de fórum íntimo e deve ser respeitada, “estamos avaliando toda a situação”, explica. Para Tarcízio a saída de Fabinho não foi única, outros companheiros também deixaram a base de apoio do Democratas.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9371 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).