Dilma diz que Lula vai deixar projetos para facilitar o próximo governo

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse que o governo federal vai deixar uma série de projetos para facilitar a realização de investimentos da próxima gestão.
A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse que o governo federal vai deixar uma série de projetos para facilitar a realização de investimentos da próxima gestão.
A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse que o governo federal vai deixar uma série de projetos para facilitar a realização de investimentos da próxima gestão.
A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse que o governo federal vai deixar uma série de projetos para facilitar a realização de investimentos da próxima gestão.

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse hoje (02/03/2010) que o governo federal vai deixar uma série de projetos para facilitar a realização de investimentos da próxima gestão. “Nós estamos fazendo um conjunto de projetos como a herança que nós vamos deixar para o próximo governo, principalmente na área de infraestrutura que é a área do Programa de Aceleração do Crescimento [PAC]”, disse a pré-candidata do PT à Presidência da República, em cerimônia onde o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi homenageado pela indústria automobilística.

Segundo a ministra, a falta de projetos foi um dos grandes problemas enfrentados pelo governo para fazer investimentos em áreas prioritárias para o país. “Quando a gente iniciou esse processo, a gente não tinha um banco de projetos que garantissem que projetos adequados, corretamente formulados e tendo em vista a solução de gargalos do país, tivessem condições de sair do papel e prontamente virar realizações concretas, obras, enfim prestação de serviço”, ressaltou.

Entre os projetos que serão deixados em andamento, Dilma destacou a ampliação do sistema ferroviário brasileiro, que, segundo ela, estava concentrado exclusivamente no Sudeste. “Então, toda a nossa linha é completar o Norte-Sul de forma que haja uma ligação vertical com o Brasil sendo cortado lá do Norte do país, passando pelo Tocantins, por Goiás e chegando depois a São Paulo”.

Sobre Carlos Augusto 9653 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).