Deputado Federal Emiliano José rebate criticas de ACM Neto ao Governo da Bahia e afirma que deputado do DEM tem pouco cuidado com a leitura

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Emiliano José: Eu insisto sempre que a oposição é essencial à democracia. Para cumprir bem o seu papel, no entanto, ela tem que ser veraz. Foto: Carlos Augusto | Guto Jads | Jornal Feira Hoje
Emiliano José: Eu insisto sempre que a oposição é essencial à democracia. Para cumprir bem o seu papel, no entanto, ela tem que ser veraz. Foto: Carlos Augusto | Guto Jads | Jornal Feira Hoje
Emiliano José: Eu insisto sempre que a oposição é essencial à democracia. Para cumprir bem o seu papel, no entanto, ela tem que ser veraz.   Foto: Carlos Augusto | Guto Jads | Jornal Feira Hoje
Emiliano José: Eu insisto sempre que a oposição é essencial à democracia. Para cumprir bem o seu papel, no entanto, ela tem que ser veraz.
Foto: Carlos Augusto | Guto Jads | Jornal Feira Hoje

“Eu insisto sempre que a oposição é essencial à democracia. Para cumprir bem o seu papel, no entanto, ela tem que ser veraz. Não pode ser inconsistente, tal e qual procedeu o deputado federal ACM Neto (DEM-BA) ao falar do governo Jaques Wagner”. A crítica foi feita pelo deputado Emiliano José na Câmara Federal (17/03/2010) em resposta ao pronunciamento feito pelo deputado carlista no dia 16 de março.

Emiliano disse que nos últimos dias a imprensa baiana tem destacado o extraordinário desempenho da economia baiana e os recordes sucessivos de criação de empregos. “Quem estará equivocado? O noticiário da imprensa baiana, os números divulgados por institutos nacionais de pesquisa, o noticiário nacional, ou ACM Neto? Tudo indica que o parlamentar pesquisa muito pouco, tem pouco cuidado até na leitura dos jornais, que é uma atividade necessária a qualquer deputado”.

O parlamentar ressaltou ainda avanços na Bahia e lembrou que os setores que mais cresceram no Estado foram os de construção civil, comércio e serviços. “Será que ACM Neto sabia disso? Será que leu as manchetes dos jornais, os noticiários das televisões, das emissoras de rádio? Será que ele compreende a importância da geração de empregos para o povo? Será que sabe que isso implica distribuição de renda, melhoria nas condições de vida de uma população que viveu abandonada por décadas pela oligarquia passada?”, indagou.

RECORDE EM GERAÇÃO DE EMPREGOS

Emiliano destacou também que, de 2007 a 2009, a Bahia atingiu a marca de 170 mil empregos com carteira assinada, e que somente em 2009 foram criados 71 mil postos de trabalho. “E vai gerar em 2010 mais de 83 mil novos empregos, que se constituirá num novo recorde histórico. Esta informação vem do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fonte absolutamente confiável. E vejam só, em janeiro a Bahia gerou 14 mil novos empregos com carteira assinada. No Nordeste todo, foram gerados 18 mil. Esse número suplanta de longe as performances anteriores do Estado”.

O crescimento do PIB da Bahia de 7,2% no quarto trimestre de 2009, em comparação com o mesmo período do ano anterior, também foi destacado por Emiliano. De acordo com deputado, isso refletiu positivamente no resultado anual de 1,7%, que foi maior do que o PIB nacional. Para ele, num cenário de crise é um feito extraordinário crescer mais do que o restante do País.

“Diferentemente dos governos passados, nós consideramos a existência de 2 milhões e 300 mil analfabetos como um crime de lesa-humanidade. E contra isso estamos lutando. Nosso governo já alfabetizou quase 500 mil pessoas. Não queremos mais ser campeões da fome, da exclusão. Este é um governo que inclui, que promove a distribuição de renda com desenvolvimento, que promove a inclusão com o crescimento econômico, que insiste em gerar emprego, para desespero daqueles que no passado condenaram a Bahia a ser campeã de índices sociais vergonhosos. E vamos persistir no caminho de criar mais e melhores condições de vida ao nosso povo”, acentuou.

Sobre Carlos Augusto 9653 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).