A absolvição de um réu confesso

Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.
A absolvição de um réu confesso.
A absolvição de um réu confesso.

Artigo de Frank Batista, formado em história na Universidade Federal do Acre, assessor da prefeitura de Rio Branco-Acre e membro do Centro Espírita e Culto de Oração Casa de Jesus Fonte de Luz.

Quer a revista Veja absolver um homicida confesso? Esta é a pergunta que as pessoas vêm fazendo após a matéria na capa da última semana sobre a morte do cartunista Glauco Vilas Boas e seu filho Raoni, ambos assassinados por Carlos Eduardo Sundfeld Nunes. Uma reportagem sem elementos consistentes, agressiva à história de um povo e tendenciosa à intolerância e à minimização do ato criminoso de um réu confesso.

Na sua intolerância, irresponsabilidade, desinformação e direção tendenciosa, a reportagem de Veja sobre o crime contra o cartunista Glauco e seu filho não busca investigar a vida e o roteiro mental do autor de duplo homicídio que já tem passagem pela polícia e contra esta dirigiu também atos criminosos, atirando e ferindo policial após roubar um veículo.

A revista Veja assume caminhos perigosos quando decide atuar como juiz antes mesmo que a polícia pudesse apurar os fatos com a conclusão das investigações e do inquérito policial, assumindo a versão do advogado de defesa de que os atos do réu confesso foram desprovidos de lucidez (das boas faculdades mentais) e por essa razão o criminoso deve ser considerado sem condições de ser punido pelo nosso código penal.

Por outro lado, sem nenhuma confirmação científica que efetivamente sustentem suas afirmações, a reportagem torna-se especulativa ao incriminar o Daime, uma bebida utilizada no Acre por comunidades que possuem total identidade com a formação social, política e cultural do Estado.

Há mais de meio século a construção histórica do povo acreano é entrelaçada com as comunidades tradicionais que utilizam o Daime como sacramento religioso.

Nestas comunidades não sem apresentam situações de saúde duvidosa, como loucura ou surto, em conseqüência de participação religiosa nos centros ancorados nos troncos fundadores desta religião genuinamente amazônica, reconhecida nos três mestres Raimundo Irineu Serra, Daniel Pereira de Matos e José Gabriel da Costa, cuja essência comum está pactuada na afirmação de princípios claros num documento assinado e denominado Carta de Princípios.

Estes princípios assumidos determinam a ética, a moral, a espiritualidade, a cultura a preservação dos bons costumes e da boa conduta, formando homens preparados que ocupam lugares destacados em toda a sociedade nos mais diversos ofícios.

Médicos, professores, engenheiros civis e florestais, arquitetos, pedreiros, padeiros, carpinteiros, enfermeiros, administradores, geógrafos, historiadores, empresários, comerciantes, comerciários, servidores públicos ou da iniciativa privada, juízes e promotores de justiça, entre tantos outros ofícios em que atuam homens e mulheres filhos destas comunidades.

Estes, regularmente são ainda destacados para postos no executivo, no Poder Judiciário ou mesmo no Poder Legislativo, cumprindo perfeitamente suas funções sem distorção ou com falta de lucidez, porque não é conseqüência do Daime deixar as pessoas sem sanidade. Pelo contrário, muitas pessoas conseguem retomar o curso da vida à partir da vivência com a Doutrina orientada nestes centros, ao ponto de podermos encontrar numa mesma comunidade, quatro gerações da mesma família: do bisavô ao bisneto todos com saúde.

Homens e mulheres formados nestas comunidades apresentam a boa saúde física e mental, além da saúde ética, moral e de boa conduta, tão raras nos dias de hoje, conforme mostram os noticiários deste Brasil.

Ao tentar agredir e denegrir a imagem, de maneira indiscriminada, dos que praticam esta religião, Veja age de maneira inconstitucional que nos torna um Estado Laico, abusando de seu poder de imprensa e ainda fere a imagem de instituições governamentais federais sérias que basearam-se em estudos para tomarem uma decisão conscientes de que o Daime não causa dependência química e não agride nem o organismo físico e nem o sistema nervoso daqueles que o utilizam.

Os jornalistas omitiram ainda que nos Estados Unidos esta religião já tem reconhecimento e lá, como aqui no Brasil, o Daime não integra lista de substâncias proscritas, sendo utilizado como sacramento religioso.

É preciso ficar claro que no auge da intolerância a Veja arvorou-se a agredir e incriminar uma religião fruto da cultura amazônica, ao mesmo tempo em que se posiciona pela anistia da culpa do criminoso confesso de 24 anos de idade.

Também é preciso ficar claro que a agressão, no Acre, é contra a identidade e contra a história singular de um povo que possui grandes virtudes, além da história intimamente ligada à floresta e sua sabedoria, através das comunidades que influenciam e são influenciadas pela sociedade na vida política, econômica e cultural desse Estado.

Frank Batista é formado em história na Universidade Federal do Acre, assessor da prefeitura de Rio Branco e membro do Centro Espírita e Culto de Oração Casa de Jesus Fonte de Luz.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111239 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]