Viagem dos EUA ao Brasil termina bem para casal brasileiro

Logomarca Jornal Grande Bahia.
Logomarca Jornal Grande Bahia.
Viagem dos EUA ao Brasil termina bem para casal brasileiro.
Viagem dos EUA ao Brasil termina bem para casal brasileiro.

Dificuldades e alegrias acompanharam Marília e Ocimar até a chegada em Cabo Frio.

O casal de aventureiros Marília Müller e Ocimar Coelho finalmente chegou ao Brasil. Eles deixaram Danbury, Connecticut, em 29 de dezembro último, e enfrentaram várias dificuldades até chegar a Cabo Frio (RJ). Apesar de tudo, o casal faria novamente a viagem.

Os brasileiros pretendiam chegar no final do mês passado. Mas várias dificuldades e imprevistos serviram de impedimento para que eles cumprissem o prazo. Felizes, os dois agora se adaptam aos poucos à vida brasileira, depois de tanto tempo longe de casa.

Por telefone ao Comunidade News, Marília contou que foi preciso ficar 10 dias no Panamá, a fim de enviar o carro para a Colômbia. Segundo ela, o navio sai somente uma vez por semana. A localização perigosa do porto fez com que o casal fosse para um hotel 5 estrelas. Muito caro, porém mais seguro, o hotel faz parte de duas quadras de hotéis onde se hospedam muitas pessoas que fazem cruzeiros.

Com o carro finalmente embarcado, os dois pegaram o avião rumo à Colômbia, e chegaram no país ao mesmo tempo que o carro. “Foi tudo muito simples”, disse. Apesar disso, Marília admite que a emissão dos papéis, feita em lugares diferentes e distantes uns dos outros, tomou um dia inteiro. O casal chegou ao país antes das 8am e terminou o processo quase às 4pm. Segundo Marília, não foi preciso dar propina a ninguém, como aconteceu em Honduras.

Depois de dois dias na Colômbia, Marília e Ocimar seguiram viagem para o Equador, considerado por ela um dos melhores lugares da viagem. “Muita polícia do exército pelas estradas”. A brasileira confidenciou que tinha medo de enfrentar grupos como as Forças Armadas Revolucionárias Colombianas (FARC). O grupo é famoso por sequestrar estrangeiros e mantê-los durante anos em cativeiro. “Tinha medo das pessoas acharem que éramos americanos”.

A educação dos policiais e a simpatia das pessoas no Equador chamou a atenção de Marília, bem como o baixo preço do diesel e da gasolina. “Foi o lugar mais barato por onde passamos”. No Peru, onde o combustível é mais caro, o carro do casal estragou. Segundo ela, lá é tudo muito deserto. “Só se vê pedra, areia e o mar muitas vezes. Muita pobreza, você vê aquelas casinhas bem pobres na estrada, bem humildes”.

Num posto de gasolina, localizado em um vilarejo, o carro não pegou mais. A cidade mais próxima estava a 45 minutos do lugar. Sozinho e de moto, Ocimar foi buscar duas correias, mas precisou voltar à cidade. A demora do marido preocupou Marília. Com muito frio e medo, ela quase chamou a polícia. Segundo ela, é preciso pagar a polícia no Peru para obter qualquer ajuda. Às 9h30pm, finalmente, Ocimar apareceu. Por volta da meia-noite e meia, os dois chegaram ao hotel.

O casal pretendia ficar somente uma noite na Bolívia. Por causa de informações erradas, os dois não conseguiram chegar até San Jose para sair em Corumbá (MS). Acabaram pegando a saída para San Inácio, a qual dava em Cáceres. “Caímos numa estrada de barro”. Para rodar cerca de 290km, o casal levou quase 11 horas. A boa noite de sono em San Inácio deu fôlego para dirigir um dia inteiro – 320 km – até cruzar a fronteira com o Brasil, à noite. A velocidade era de 20km/hora. “Era muito buraco”.

Torcida de alegria

No dia 31 de janeiro, Marília e Ocimar entravam no Brasil. A sensação de estar no Brasil foi de total alegria. Segundo ela, a Polícia Federal e a imigração ficaram até admirados em saber que os dois estavam chegando dos Estados Unidos. “Não nos revistaram, até tiraram foto com a gente”. Apesar de nosso país ter um histórico de violência, os dois se sentiram seguros. “Era nossa língua, nosso povo. Ali era mais fácil”.

Segundo Marília, ela e Ocimar enfrentaram bastante medo no trecho da estrada de barro. “Deus mostrou muita coisa”. As orientações de todos foram seguidas à risca. Marília confidenciou que chegou a ter medo de ter o quarto do hotel invadido em Honduras.

O roteiro seguiu até Minas Gerais e finalmente se cumpriu em Cabo Frio (RJ), no dia 4 de fevereiro. A torcida de todos estava acompanhada de apreensão. Quem não sabia da aventura do casal considerou a viagem uma verdadeira loucura. “Foi uma festa danada”.

Segundo Marília, ela e o marido fariam de novo a mesma viagem. “Pretendemos fazer outra, mas diferente. Passeando, sem cachorro e sem ter as coisas que trouxemos. Só bagagem de roupas mesmo, coisas essenciais. Inclusive conhecemos pessoas canadenses e alemães que estavam passeando durante um ano”. Ela aconselha a viagem mas como passeio, e em dois casais.

Agora, os dois só querem curtir o Brasil, observando de longe o inverno americano. O casal quer montar um negócio próprio. Antes disso, vai trabalhar com o irmão de Marília, que é advogado, e com a irmã dela, que é médica. Os dois filhos adultos da brasileira ainda moram em Danbury. Mas se o gostinho de estar no Brasil for muito bom, Marília e Ocimar não voltam para os Estados Unidos. “Estamos com bastante gás para ficarmos por aqui”.

*Com informações da Comunidade News

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108862 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]