O Ministro Geddel Vieira Lima quer discutir segurança pública e diz que governo Wagner abandonou Vitória da Conquista

Logomarca Jornal Grande Bahia.Logomarca Jornal Grande Bahia.

Geddel aceita desafio de Wagner para debater segurança

Pré-candidato do PMDB ao Governo do Estado, o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, aceitou o desafio proposto pelo governador Jaques Wagner e disse que basta “marcar hora e local” para debater com ele a política de segurança pública. Essa foi a resposta de Geddel à provocação feita pelo governador na última segunda-feira (22/02/2010), chamando a oposição para discutir o tratamento dado pelo seu Governo em relação ao crescimento da violência.

“Governador quer debater segurança? Marque hora e local. Tenho legitimidade para criticar. E a mim não vão perguntar porque não fez?”, disse o ministro no twitter, completando: “Se soberba encontrar argumentos para não aceitar agora, esperemos a campanha, para mostrar a fragilidade na gestão da segurança que povo sente na pele”.

Principal crítico da política de segurança pública do Governo Wagner, o ministro cita os números da própria Secretaria de Segurança Pública para demonstrar o quanto a atual administração estadual tem faltado com a eficiência no combate a violência. Apenas na Região Metropolitana de Salvador, a média é de 20 assassinatos a cada final de semana.

“E o pior é que neste Governo, a insegurança se espalhou por todo o Estado, chegando a cidades outrora pacatas que agora vivem com as suas populações sobressaltadas, expostas às ações de bandos fortemente armados que assaltam, sequestram e matam”, disse o ministro.

Para exemplificar o crescimento da violência indiscriminadamente em todo o Estado, o ministro Geddel Vieira Lima citou dados da Coordenação de Documentação e Estatística Policial (Cedep), divulgados pela imprensa, comprovando que nos últimos dias anos, “portanto em pleno Governo Wagner”, os índices de violência em quatro municípios do Extremo-Sul (Porto Seguro, Eunápolis, Teixeira de Freitas e Itamaraju), o número de homicídios cresceu mais de 70%.

“Os índices de homicídio nesta região são maiores que a média nacional e estão entre os mais elevados do mundo. Com tudo isso, o governador se diz tranquilo com a sua política de segurança pública”, alfinetou Geddel.

Para ele, ao invés de provocar a oposição, o governador deveria “falar menos e agir mais” em relação a segurança pública e o primeiro passo seria, “ao invés de gastar em propaganda”, priorizar os investimentos, sobretudo nos homens e mulheres que formam as forças policiais do Estado.

“O Estado comprou novas viaturas. Claro que isso é importante, mas e os recursos para o combustível, as condições de trabalho para os policiais que continuam reclamando da falta de armamentos adequados, de equipamentos básicos para atuarem com segurança na proteção da sociedade?” indagou Geddel.

Wagner abandona Vitória da Conquista

O presidente do PMDB em Vitória da Conquista, Herzem Gusmão cobrou nesta terça-feira (23) do Governo do Estado, “uma solução para o abandono em que se encontra o município”, um dos maiores do Estado, que enfrenta uma onda de violência. Ele considerou positivo o trabalho da força tarefa formada pelo Ministério Público para investigar os assassinatos de 14 adolescentes e o desaparecimento de outros três, em janeiro, mas ressalta que até hoje o caso permanece sem solução.

“O que está acontecendo em Vitória da Conquista demonstra o descontrole do Governo em relação à segurança pública, cabendo a responsabilidade exclusivamente ao Ministério Público”, disse o presidente do PMDB.

Pré-candidato a deputado federal, Herzem Gusmão cita outro exemplo para demonstrar o descaso do Governo Jaques Wagner em relação à segurança pública em Vitória da Conquista. Apesar de concentrar uma das maiores populações do Estado, com 320 mil habitantes e também um dos mais elevados índices de crescimento de violência, o município receberá apenas uma das 270 viaturas policiais recentemente adquiridas pelo Governo.

Outro fato citado pelo presidente do PMDB é o fato da cidade ser um pólo regional e não ter nenhuma unidade de comando do sistema de segurança pública, sediada em seu território.

“O comando da Polícia Rodoviária fica em Brumado, o da Polícia Militar em Itabuna e o do Corpo de Bombeiros em Feira de Santana. E isso acontece num município cujo prefeito é do mesmo partido do governador”, ressalta Gusmão.

Outra crítica feita pelo presidente do PMDB de Conquista é com relação ao Instituto Médico Legal (IML) do município, que funciona em condições precárias.

“Essa semana os técnicos do instituto receberam um cadáver levado pela força tarefa para investigação, mas não havia máscara nem luvas para realizar a análise. O material teve que ser comprado pelos próprios profissionais”, relatou.

Prefeito pedetista apóia Geddel

Pré-candidato do PMDB ao Governo do Estado, o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima recebeu nesta segunda-feira o apoio do prefeito de Jequiriçá, o pedetista Juvenal Farias de Maia, que veio a Salvador acompanhado pelo deputado federal Severiano Alves, comunicar a sua decisão ao ministro.

“A Bahia precisa de líderes como o ministro Geddel, dinâmico, que cumpre a palavra e tem vontade de realizar pelo povo baiano”, disse o prefeito.

Juvenal Maia ressaltou que no Ministério da Integração Nacional, Geddel tem demonstrado a sua capacidade de trabalhar pela Bahia, viabilizando a execução de obras importantes para o Estado.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).