O governador Jaques Wagner em diálogo com o Ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, confirmou interesse da Bahia em usina nuclear

A geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner. Foto: Manu Dias | AGECOM | JFH
A geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner. Foto: Manu Dias | AGECOM | JFH
A geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner. Foto: Manu Dias | AGECOM | JFH
A geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner.
Foto: Manu Dias | AGECOM | JFH

O governador Jaques Wagner reafirmou hoje (11/02/2010), em audiências com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, o interesse do governo baiano em habilitar-se para instalação, em seu território, de uma central nuclear geradora de energia elétrica. O governador também almoçou no palácio da Alvorada com o presidente Lula onde discutiu o assunto.

Lula receberá em dois meses os estudos sobre a viabilidade de instalação da usina e só depois decidirá qual estado será contemplado com o investimento calculado entre U$10 a U$ 13 bilhões, através de leilão. O presidente está aguardando os estudos e vai ouvir ministros e setores competentes no assunto.

“A oferta de energia elétrica sempre é fator necessário à expansão do desenvolvimento baiano. O potencial hidráulico está bastante explorado, restando poucas opções para instalação de usinas hidrelétricas de grande porte. Portanto, a geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wagner. Segundo ele, a obra é considerada estruturante, pois gera emprego e renda.

O ministro Edson Lobão informou ao governador que vários estados nordestinos também são candidatos a construir a central nuclear e que o governo federal deseja uma confluência entre tais interesses. Wagner sugeriu estudos sobre a possibilidade do projeto de construção da central nuclear ser realizado na fronteira entre os estados, embora ache difícil tal solução.

Entre algumas das exigências para a construção da central nuclear geradora de energia elétrica estão: que o local a ser escolhido para a construção seja próximo de fonte fria (disponibilidade de água de rio ou de mar), ser perto de linhas de transmissão, e a qualidade do terreno – que não pode ser poroso.

Ao mesmo tempo, o ministro Lobão disse ao governador que nos próximos 20 anos o Brasil vai ter que dobrar sua oferta de energia elétrica para garantir o crescimento sustentável da economia e as usinas nucleares serão importantes para garantir a oferta de eletricidade.

Um ponto positivo para a Bahia é a existência do Distrito Uranífero de Lagoa Real localizado a cerca de 20 km a nordeste de Caetité.

Durante o almoço com o presidente Lula, o governador Jaques Wagner conversou sobre o projeto da Ponte ligando Salvador a Itaparica. E aproveitou para destacar importantes projetos do governo baiano, como a ferrovia Oeste-Leste, cuja primeira etapa, Ilhéus-Caetité, já está com recursos garantidos no orçamento da União.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9608 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).