Nem a ditadura teve repressão como a de Serra |Por José Dirceu

Dramáticas para dizer o mínimo, as fotos publicadas hoje nas primeiras páginas por dois dos principais jornais do país, a Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo. Ilustram bem o descaso com a situação criada pelas enchentes e o autoritarismo com que reagem às manifestações dos moradores que protestam contra essa situação os governos demotucanos do Estado, o governador José Serra (PSDB), e da Capital, o prefeito Gilberto Kassab (DEM-PSDB).

O Folhão traz a foto de policiais investindo com violência e atingindo com spray de pimenta manifestantes e parlamentares que participavam de protesto em frente à Prefeitura contra a omissão das autoridades em relação às inundações que assolam São Paulo há 46 dias; o Estadão, a foto de um grupo numeroso de mulheres e crianças da Favela Paraisópolis, com baldes e em fila para obter água depois de dois dias do rompimento de uma adutora, ainda não consertada, o que prolongou o desabastecimento no bairro.

As duas fotos constituem por si só uma amostra do que será um improvável governo Serra na presidência da República: conflitos permanentes; repressão policial violenta; uso da força e não da negociação e do diálogo para resolver os conflitos sociais. São imagens mais do que simbólicas porque antecipam que em uma eventual presidência Serra voltaríamos ao período anterior a 1930 do século passado, quando os conflitos sociais eram definidos e considerados como “questão de polícia”.

Meu editor nesse blog, Aristeu Moreira, em um testemunho como repórter, contou-me que em seus mais de 30 anos de exercício do jornalismo, quando cobriu boa parte do período da ditadura militar, jamais viu a polícia, mesmo a de governadores nomeados por generais-presidentes, reprimirem manifestantes que protestavam contra enchentes.

Já com o governador José Serra em São Paulo virou moda a PM reprimir manifestações pacíficas e legais de protesto, numa flagrante violação da Constituição e do livre direito de manifestação. A repressão baixa quase todos os dias, várias vezes por semana. É um abuso de autoridade, vocês sabem, mas esse é o modo tucano de governar.

*José Dirceu de Oliveira e Silva nasceu na cidade de Passa Quatro, Minas Gerais, em 16 de março de 1946. Formou-se em Direito, em 1983, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

*Com informações de José Dirceu de Oliveira e Silva

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]