As churrascarias londrinas na visão de um brasileiro

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Logomarca Jornal Grande Bahia.
Logomarca Jornal Grande Bahia.

Em 14 de fevereiro de 2010, dia dos namorados aqui na Europa, fui com minha mulher almoçar no Rodízio Rico, uma churrascaria bem ao estilo brasileiro aqui em Londres. Pouco romântico, eu sei, mas a ideia partiu dela… E eu topei na hora.

Segundo a revista britânica Time Out, o principal guia da cidade, há pelo menos outros seis restaurantes similares aqui na capital britânica. A julgar pelo movimento do Rico – quase sempre cheio – a impressão que se tem é de que os rodízios de carne fazem sucesso por aqui.

Claro que o número de brasileiros vivendo na Inglaterra ajuda muito. No domingo, me pareceu que a maioria das mesas contava com pelo menos um brasileiro.

Quanto aos ingleses, era fácil identificá-los. Enquanto os brasileiros costumam pegar pouca comida no buffet para deixar mais espaço para as carnes, os locais, não tão familiarizados com o sistema de rodízio, avançam com gosto no self-service. Compreensível, porque a culinária brasileira do buffet, incluindo feijoada e farofa, é realmente tentadora.

Como bom brasileiro carnívoro que sou, “peguei leve” no self-service para não fazer feio no rodízio.

Ao final do almoço, fiquei muito feliz por ter aceitado a sugestão da minha mulher (Como se os maridos tivessem a opção de recusar…).

Comer no Rodízio Rico foi, em grande parte, uma forma de matar as saudades do Brasil. Ao mesmo tempo, é inevitável pensar que certamente já fomos a rodízios melhores antes.

O crítico da Time Out Guy Diomond resumiu bem o que é para um brasileiro comer em uma churrascaria em Londres. Depois de uma viagem ao Rio de Janeiro, ele escreveu:

“De volta a Londres, qualquer churrascaria brasileira está fadada a desapontar depois da opulência do Porcão”.

Marcus Vinicius Silva, um amigo meu também radicado em Londres, concorda com essa impressão.

“Eu estive no Rodízio Rico e no Comida (outra churrascaria em Londres). Meu problema é que tenho os rodízios brasileiros em mente e, obviamente, a qualidade não é a mesma aqui”, comentou.

Não que meu amigo, minha mulher, o Diomond ou eu mesmo não tenhamos gostado do Rico. Todos adoraram. Como a própria Time Out descreve, o local serve “filé mignon, corações de galinha, linguiças normal e apimentada, e cordeiro assado deliciosos”. Eu preciso destacar também o baby beef, que estava maravilhosamente mal-passado, e o guaraná, artigo pouco comum na Grã-Bretanha.

Um dos problemas do local é que a carne tem pouco sal para o gosto brasileiro. Como o público inglês consome muito menos sal do que a gente, provavelmente o restaurante reduz um pouco no tempero para agradar também aos locais.

Além disso, senti falta de certas carnes que sempre encontramos no Brasil, como cupim e fraldinha.

Ao contrário da carne, o preço é um pouco salgado – 22,50 libras, ou R$ 65 -, mas absolutamente dentro do preço normal que se paga para comer bem em Londres.

Em suma, o Rico conseguiu matar meu desejo por um bom rodízio, com boas carnes e um ambiente bem brasileiro. Só não dá para compará-lo com os Porcões da vida. Nem seria justo fazê-lo.

*Com informações da BBC Brasil

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113514 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]r.