Projeto Aguadas levará tecnologias de captação e disponibilização de água para o semi árido baiano

O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.

A qualidade de vida, a produção agrícola e a renda familiar de cerca de 1.500 famílias do semi árido baiano serão melhoradas com a implantação de tecnologias de armazenamento e captação de água e técnicas de irrigação sustentáveis. Com investimento de R$ 8,2 milhões, o Governo do Estado, através do Instituto de Gestão das Águas e Clima (INGÁ), assinou convênio com nove organizações da sociedade civil vinculadas à Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA) para desenvolverem as ações do Projeto Aguadas.

Até novembro de 2010, serão implantados, em 70 municípios de 16 territórios de identidade, 620 barreiros trincheiras; 322 limpezas de aguadas; 130 cisternas de enxurradas; e 33 bombas d’água populares para dessedentação de animais. Entre outros benefícios, esses mecanismos vão garantir o aproveitamento máximo das águas de chuva que caem no semi árido durante o ano.

Aguadas são pequenas obras com tecnologias simples para aproveitamento e armazenamento de água de chuva e de poços, com obras de baixo custo e fácil de serem apropriada e manejada pelas comunidades, com pouquíssimo ou nenhum impacto ambiental. Como exemplos, pequenas trincheiras de pedra para represar água de córregos; pequenas cisternas que utilizam bombeamento popular, feito manualmente, sem gasto de motor e energia, e pequenos tanques construídos em afloramentos de água através da escavação da terra para armazenamento da água de chuva. Tudo feito com capacitação da comunidade que irá utilizar e manejar as aguadas, e cuidar da sua conservação.

Com verba do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Funcep), o Projeto Aguadas é executado pelo INGÁ e tem apoio técnico da Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri), através da Superintendência de Apoio à Agricultura Familiar (Suaf). As nove organizações que foram selecionadas em chamada pública possuem experiências de pelo menos dez anos com tecnologias de convivência com o semi árido brasileiro.

O projeto terá caráter participativo e todos os segmentos envolvidos nas ações terão voz ativa na implantação dos projetos. Além do Governo Estadual e das famílias, participam das tomadas de decisão do Projeto Aguadas as comissões municipais, formadas por organizações das prefeituras locais, e as comissões comunitárias.

Benefícios

“As obras do Projeto Aguadas são de baixo custo, de tecnologia simples, fácil de ser aproveitadas pelos beneficiários e não apresentam impactos ambientais. A metodologia utilizada na execução do projeto assegura a participação ativa das famílias em todo o processo, o que possibilitará que elas conheçam melhor as características e potencialidades da região onde vivem e comecem a enxergá-la com outros olhos”, explicou o coordenador de projetos do INGÁ, Roque Aparecido.

O semi árido baiano apresenta uma média pluviométrica anual de 750 milímetros e em determinadas regiões a média é inferior a 400 milímetros. Segundo estudos hidrológicos, essas chuvas são suficientes para suprir as demandas hídricas das populações, porém, a falta de aproveitamento desta água é causadora da escassez hídrica na região.

“Mais do que combater a seca, deve-se conviver com o clima, aproveitando a época das chuvas para armazenar água e poder aproveitar com tranqüilidade o período de estiagem. Também é fundamental capacitar a população local para uma relação de convivência harmoniosa e sustentável com o clima da região”, explica o diretor geral do INGÁ, Julio Rocha.

De acordo com o coordenador de Enlaces da Unidade de Gerenciamento de Projetos (UGP) do INGÁ, Roque Aparecido Silva, o projeto tem uma proposta que vai muito além dos aspectos técnicos. “É bastante democrático e coletivo, pois as famílias beneficiadas serão escolhidas pelas próprias comunidades. Elas participarão de uma série de cursos sobre meio ambiente e gestão de recursos hídricos familiares, para que possam administrar os mecanismos oferecidos pelo Governo de forma eficiente e garantam que os benefícios sejam perenes.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]