Solução para panes está em mix energético, dizem especialistas alemães

O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.

Especialistas alemães afirmam que a distância de Itaipu dos centros urbanos e a grande dependência da energia hidrelétrica contribuem para a ocorrência de blecautes no Brasil.

De acordo com especialistas alemães do setor de energia, o Brasil poderia ficar menos vulnerável a apagões, caso tivesse uma maior variedade de fontes energéticas e dispusesse de usinas produtoras de eletricidade mais próximas dos grandes centros urbanos.

O Brasil viveu horas de pânico na madrugada de terça-feira (10/10) para quarta-feira, quando regiões e cidades em 18 estados do país ficaram sem energia elétrica durante horas. Segundo o Ministério das Minas e Energia, o apagão se deveu a problemas nas linhas de transmissão.

Distância dos centros

Para o diretor do Instituto de Tecnologia Energética da Universidade de Bochum, Hermann-Josef Wagner, um dos problemas brasileiros é a dependência de uma só fonte de energia. “Mais de 80% da energia consumida no Brasil vem de usinas hidrelétricas”, explicou, acrescendo que por esse motivo a fonte de geração fica distante dos centros urbanos, fazendo com que sejam necessárias longas redes de transmissão, como é o caso de Itaipu.

Wagner acha que o governo deveria investir na diversificação de suas opções energéticas. “O Brasil deveria ampliar suas fontes, seja acoplando, por exemplo, usinas convencionais acionadas por combustível fóssil ou mesmo energia nuclear à sua rede de distribuição”, disse.

Ele mesmo viveu o problema na própria pele, quando visitou o Brasil há sete anos. “Estava no país quando houve um blecaute, em 2002”, recorda. “Mas naquela época, o problema foi o período de poucas chuvas. A escassez de água atingiu o fornecimento de eletricidade e o povo foi incentivado a poupar energia”, lembra.

Altos custos subterrâneos

A hidrelétrica de Itaipú gera cerca de 20% da energia consumida no Brasil

O professor de economia energética da Universidade Jacobs de Bremen, Wolfgang Pfaffenberger, concorda que as grandes distâncias são um empecilho. Para ele, o problema dos apagões é inevitável nessas condições. “Itaipu produz enormes quantidades de energia, mas está a uma distância muito grande de São Paulo e Rio. Nesse caso, problemas com as linhas de transmissão são normais”, afirmou.

“Blecautes são é um risco que se corre quando a rede é aérea, como no Brasil”, afirmou o alemão, que já esteve em Itaipu e conhece os equipamentos da usina. Ele afirma que a tecnologia utilizada pela hidrelétrica é uma das mais modernas que existem. “O Brasil dispõe de uma rede de distribuição de alta tensão muito moderna, mais que a europeia”, ressaltou.

No entanto, ele considera uma saída inviável a instalação de cabos de distribuição subterrâneos, como os existentes na Europa. “Os custos seriam muito altos, em distâncias imensas como as brasileiras, os investimentos seriam cerca de cinco a seis vezes maiores, o que não compensa em um sistema que dispõe de uma energia a um preço muito baixo”.

Necessidade de mix energético

Pfaffenberger recomenda um melhor mix energético, lançando mão de outras fontes geradoras de energia e usinas mais próximas dos centros urbanos, sejam elas de combustível fóssil ou mesmo nuclear. “Os brasileiros têm que pensar sobre isso, investir em outras soluções, apesar de a água ser uma fonte barata e renovável, principalmente se um aumento do consumo de energia é esperado nos próximos anos”, completou.

Ele compara a situação brasileira com problemas enfrentados pelos europeus. “Regiões no sul da França já chegaram a ficar várias semanas sem energia, localidades na Suécia também chegaram a ter uma interrupção de seis semanas no inverno”, observou.

*Com informações de Márcio Damasceno

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108735 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]