Na Mata Escura | Por Juarez Duarte Bomfim

O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.

A mídia, com sensacionalismo, divulga as tragédias como se estivessem vendendo um produto em um mercado competidor, e mobiliza as pessoas com um discurso que intensifica o assistencialismo e desvia a responsabilidade governamental frente às problemáticas sociais

Na ensolarada manhã de quarta-feira, 04/11, este que vos escreve teve o privilégio de participar da Banca de Mestrado da aluna Elília Camargo Rodrigues, cuja dissertação tem o título de “A reconstrução do processo de identificação da liderança em associações de moradores de Salvador”.

Elília Camargo é aluna do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), e foi competentemente orientada pelo Prof. Dr. Eduardo José Fernandes Nunes.

A Banca foi composta pelos professores doutores Eduardo Nunes (UNEB), Juarez Bomfim (UEFS) e Elizeu Clementino de Souza (UNEB).

Na sua dissertação, Elília desenvolve os conceitos de liderança e associativismo — das ciências sociais — para a compreensão da ação de líderes comunitários dos bairros da Mata Escura, Engomadeira e Estrada das Barreiras, no miolo da Cidade do Salvador.

Utilizando o método de “história de vida” ela traça o perfil de cada liderança estudada e disserta sobre a (re)construção da identidade dos representantes comunitários.

Vários aspectos são abordados ao longo da dissertação, dos quais não me alongarei. Cito apenas um comentário da autora sobre parte do depoimento de líder comunitário, que reflete a influência que a população recebe de mídias poderosas como a televisão, que passa a motivar a sua práxis, voltada para atos de solidariedade externos à sua realidade, quando o que lhe diria respeito diretamente — o que ocorre no seu bairro, na sua cidade — é paradoxalmente ignorado por esses atores sociais.

Escreve Elília Camargo: “chamou a atenção na postura da liderança em Mata Escura a comoção e a tentativa de ajuda mútua em realidades exteriores, ou seja, fora dos limites da comunidade. A mídia, com sensacionalismo, divulga as tragédias como se estivessem vendendo um produto em um mercado competidor, e mobiliza as pessoas com um discurso que intensifica o assistencialismo e desvia a responsabilidade governamental frente às problemáticas sociais. Estamos nos referindo à tragédia que aconteceu em novembro de 2008 no Estado de Santa Catarina, quando um alagamento, com chuvas constantes, acarretou mortes e desabrigados. Diante dessa realidade, a Associação de Moradores da Mata Escura fez campanha para arrecadar roupas em prol desses desabrigados quando essa preocupação e responsabilidade em nível local não existem como prioridade nas práticas associativas. Em todos os contatos mantidos na associação não foi possível ver nenhuma ação desse tipo que mobilizasse pessoas do local. A realidade externa traduz mais comoção e se apresenta com mais possibilidades de ação. Essa contradição é negativa”.

Ao final da defesa oral do trabalho de pesquisa, os examinadores teceram considerações sobre o trabalho monográfico apresentado e, após reunião, decidiram aprovar a dissertação de mestrado de Elília Camargo. A Banca recomenda a sua transformação em artigos para divulgação acadêmica e no âmbito das ações de educação popular.

A jovem acadêmica Elília se constitui naquele ator social que Gramsci denominava de “intelectual orgânico”. Bastante eloquente, discursiva, Elília une a sua vida de pesquisadora social com a vivência e integração nos locais de pesquisa, os bairros populares de Salvador, dando a sua importante contribuição para o desenvolvimento da vida comunitária nesses populosos bairros da cidade.

*Juarez Duarte Bomfim, sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Sobre Juarez Duarte Bomfim 741 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]