Senador ACM Junior aponta prejuízos causados pelo excesso de gastos na Bahia e no Brasil

A Bahia se destacava pelo turismo, pelo crescimento econômico, a economia baiana liderava a região e hoje nosso estado cresce menos que a média do nordeste e perde investimentos para os vizinhos, lembrou o senador.A Bahia se destacava pelo turismo, pelo crescimento econômico, a economia baiana liderava a região e hoje nosso estado cresce menos que a média do nordeste e perde investimentos para os vizinhos, lembrou o senador.
A Bahia se destacava pelo turismo, pelo crescimento econômico, a economia baiana liderava a região e hoje nosso estado cresce menos que a média do nordeste e perde investimentos para os vizinhos, lembrou o senador.

A Bahia se destacava pelo turismo, pelo crescimento econômico, a economia baiana liderava a região e hoje nosso estado cresce menos que a média do nordeste e perde investimentos para os vizinhos, lembrou o senador.

O senador Antonio Carlos Junior (DEM/BA) subiu à tribuna nesta quarta-feira (07/10/2009) para lamentar o aumento desmedido dos gastos públicos, que tem causado prejuízos ao país. Defensor constante do corte de gastos do governo, Antonio Carlos deu exemplos de desorganização no planejamento lembrando que a má gestão de recursos tem afetado diretamente setores essenciais à população, como a segurança pública, tanto no âmbito federal como estadual.

– Inúmeras vezes afirmei e demonstrei, com dados, que o governo federal gasta muito e gasta mal. Na Bahia, o governo petista de Jaques Wagner desperdiça recursos e deixa de atender áreas prioritárias. Antes do governo do PT, durante os governos ACM e os que o sucederam, a Bahia se destacava pelo turismo, pelo crescimento econômico,  a economia baiana liderava a região e hoje nosso estado cresce menos que a média do nordeste e perde investimentos para os vizinhos, lembrou o senador.

Citando atitudes consideradas por ele inapropriadas à economia do país, ACM Junior condenou a falta de investimentos em infraestrutura e a destinação de recursos para projetos polêmicos como a produção de biodiesel a partir da mamona para fins combustíveis, projeto já condenado pela Agência Nacional do Petróleo. Segundo o senador, o projeto “se transformou em mero escoadouro de recursos públicos para movimentos sociais como o MST e a Contag”. Ele também criticou o esquecimento de iniciativas importantes como a produção de combustíveis alternativos como o etanol (álcool) considerado um excelente substituto da gasolina, cuja produção é benéfica ao meio-ambiente e adequada ao clima do país.

Sobre as conseqüências da falta de controle de gastos, Antonio Carlos também citou dados que mostram a urgente necessidade de recursos para a segurança na Bahia. Além dos crescentes números da violência e criminalidade, que têm sido mostrados de forma constante e recorrente, o senador informou que o estado tem a maior malha rodoviária federal e para fiscalizar essa extensão a Polícia Rodoviária Federal não tem sequer um helicóptero.

-Para fiscalizar esses seis mil e quinhentos quilômetros, a Polícia Rodoviária conta com apenas vinte e seis postos, dez delegacias e quatrocentos e sessenta e um policiais, distribuídos entre atividades de campo e também na burocracia. Em dez anos o efetivo da Policia Rodoviária na Bahia diminuiu em 10%, lamentou ACM Junior.

Antonio Carlos ainda informou que a segurança no estado continua caótica com delegacias vazias, por falta de efetivo, funcionando de forma precária e criticou a desculpa do governador de que faltam recursos para o setor.

– Ora, se faltam recursos, então como explicar que a Bahia tenha utilizado, em 2008, menos de 30% da verba do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) recebida do Ministério da Justiça? O Ministério da Justiça até decidiu suspender o repasse de verbas do Programa, porque os valores disponibilizados não foram usados.

ACM Junior disse ainda que o governo Jaques Wagner não soube ou não quis utilizar os recursos destinados para a segurança pública, em 2009.

– Já estamos a menos de três meses de 2010 e, até agora, apenas 21% dos recursos previstos para 2009 foram efetivamente gastos. O que acontece na Bahia, portanto, é um caso concreto, um triste exemplo, do que ocorre no governo federal: se gasta muito e se gasta mal. Se gasta com o que não é importante, deixando-se de lado o que é prioritário e urgente, finalizou o senador.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]