Os documentos, não!

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.

Os clientes das poucas mesas ocupadas iam sendo depenados, até os assaltantes chegarem à mesa do nosso ilustre personagem.

 Vivemos numa sociedade organizacional, sociedade burocrática. Daí que surge o homo burocraticus, aquele que nasce, cresce e um dia vai morrer dentro do quadro de organizações formais.

Algumas burocracias são tão frias e impessoais que substituem o nome por um número, despersonalizando o indivíduo. Instituições educacionais que assim procedem não deixam de criar constrangimentos.

Professor: aluno vinte e três?

Aluno: Presente!

– Aluno vinte e quatro…

– …

– Vinte e quatro!

– …

E olhe lá o 24 se escondendo.

Acompanha a organização burocrática o outro lado da moeda: Dona Burocracia, gorda… lenta… paquidérmica, diríamos, e ineficaz. Por essas e tantas o homo burocraticus se coloca em situações de alto risco para preservar os seus direitos burocráticos.

Como direito burocrático fundamental existe o de ter documentos escritos. Ai daquele que os percam. Torna-se um zé ninguém, com o perigo de ser incriminado e punido por… falta de documentos.

O preclaro leitor já experimentou cair numa blitz e alegar para o “simpático” policial que esqueceu os documentos em casa? E já perdeu ou teve roubado o seu passaporte em lugar estranho, distante dos Consulados Gerais do Brasil? E aqueles outros documentos insubstituíveis, que não basta pedir segunda via?

Ah e se o problema for a falta de comprovantes escritos, o cara está perdido.

Assim que, num certo entardecer na Praia de Itapuã, quando caymmicamente o saudoso economista baiano Luiz Buzón filosofava, embalado pelos eflúvios etílicos e suave brisa nordestina, o bar onde ele perorava sofreu um daqueles fulminantes ataques, comuns à violenta cena soteropolitana, de assalto a mão armada.

Os clientes das poucas mesas ocupadas iam sendo depenados, até os assaltantes chegarem à mesa do nosso ilustre personagem. Ao ser surpreendido violentamente pelos meliantes, que anunciavam o assalto de armas em punho, Luiz Buzón ainda teve a audácia de bradar:

– Levem tudo. Mas os documentos eu não dou!

Foram suas últimas corajosas palavras, antes de desmoronar desmaiado por forte coronhada na nuca.

Preservar a vida e a saúde pouco importava para o nosso bravio herói. Importante mesmo eram os seus documentos…

Assim é o homo burocraticus.

Sobre Juarez Duarte Bomfim 745 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]