Cachoeira: Festa da Boa Morte atrai público afroamericano para a Bahia

Logomarca do Jornal Grande Bahia.Logomarca do Jornal Grande Bahia.

Mais de 300 norte-americanos já se encontram na Bahia para participar de diversas atividades relacionadas à cultura afrodescendente. A informação é do Departamento de Turismo Étnico-afro da Bahiatursa, que estima que o número de visitantes dos Estados Unidos chegue a 500. Este ano, a Secretaria de Turismo do Estado (Setur) destinou R$ 80 mil para apoio aos festejos de Cachoeira. Os recursos são oriundos de emendas parlamentares.

Segundo o coordenador do programa, Billy Arquimimo, a maioria desses estrangeiros deve ir ao município de Cachoeira, a 111 km de Salvador, para conhecer as festividades da Irmandade da Boa Morte. A prefeitura local acredita que a cidade deve receber 15 mil visitantes, entre brasileiros e estrangeiros, no período das celebrações religiosas.

Arquimimo afirmou ainda que, além dos americanos que vieram de Los Angeles, Chicago, Nova York, Filadélfia e Miami, também há visitantes de São Paulo, Rio de Janeiro e de estados do Sul e Nordeste do Brasil.

História 

Mantida por uma confraria singular, a Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte tem nas suas festividades o ponto alto. O evento atrai todos os anos, para a cidade de Cachoeira, um grande número de visitantes, entre estudiosos e turistas de diversas partes do mundo.

O grupo é formado exclusivamente por mulheres negras e mestiças, que descendem e representam a ancestralidade dos povos africanos escravizados e libertos no Recôncavo da Bahia.

Elas tinham o intuito de alforriar escravos ou dar-lhes fuga, encaminhando-os para o quilombo do Malaquias, em Terra Vermelha, zona rural da cidade de Cachoeira. A Boa Morte nasceu nas senzalas, locais que abrigavam escravos negros nos engenhos de cana-de-açúcar, há cerca de 150 anos.

Programação Festiva

No sábado que antecede a festa, as componentes da Irmandade, vestidas de baianas, saem pela cidade pedindo donativos, este ritual é chamado de Esmola Geral.

No dia 13 de agosto, as irmãs vestidas de brancos saem em cortejo anunciando a morte de Nossa Senhora pelas principais ruas do centro histórico de Cachoeira. Após o cortejo há uma missa pelas almas das irmãs falecidas e mais tarde, na sede da Irmandade a chamada Ceia Branca, composta de pão, vinho, peixe e frutos do mar.

No dia 14 de agosto, é celebrada uma missa simbólica de Corpo Presente com a imagem de Nossa Senhora da Boa Morte. Neste dia, as irmãs não usam jóias nem adornos, mas vestem suas melhores roupas: saia rodada, blusa branca e um pano negro e vermelho.

No dia 15 de agosto, logo ao amanhecer a cidade de Cachoeira é acordada por uma alvorada de fogos, Pela manhã, há uma missa festiva enaltecendo a Assunção da Virgem. Logo depois a procissão com as Irmãs trajadas a rigor percorre as principais ruas da cidade, acompanhada de filarmônicas. Segue-se o tradicional almoço oferecido pela Irmandade a todos os participantes. Às 18 horas começa o animado samba de roda no Largo d´Ajuda, que continua no dia 16. Ainda no Largo d´Ajuda, no dia 17, acontece o encerramento da festa com mais samba e uma cerimônia privativa das irmãs.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]