Programa de gestão da saúde do Município de Feira de Santana custa R$ 1,3 milhão; Equipamentos e programas serão alugados pelo Governo Tarcízio Pimenta

Tarcízio Pimenta, gasto de R$ 1,3 milhão com aluguel de pessoal, equipamentos e programa de computador. Farra com o dinheiro da saúde.
Tarcízio Pimenta, gasto de R$ 1,3 milhão com aluguel de pessoal, equipamentos e programa de computador. Farra com o dinheiro da saúde.

O Programa Saúde Digital comemorado de forma ufanista pelo alcaide da PMFS (Prefeitura Municipal de Feira de Santana), Tarcízio Pimenta, como se o mesmo fosse o antídoto para todos os males que acomete a humanidade, não deixa de ser uma grande farsa, grosseira manipulação praticada às expensas do dinheiro público da União. Este processo só dinamiza a forma de gestão na saúde e não o atendimento prestado no setor que é realizado por médicos e atendentes.

De acordo com licitação 034/2009, a empresa Freire Informática Ltda. foi contratada para locação de Sistema de Tecnologia de Informática para gestão de Saúde, e Equipamento de Comunicação para exibição de TV corporativa, Sinalização corporativa e Digital via IP e atendimento da Secretaria Municipal de Saúde e Unidade de Saúde, ao custo de R$1,3 milhão.

Esta contratação lesa os interesse  da população feirense a começar com a contratação de uma empresa que não tem sede no município, o que caracteriza evasão de divisas. Outro aspecto digno de abordagem é que o contrato é de locação de equipamentos e pessoal para o período de um ano, não havendo a sua renovação a empresa retira os equipamentos e o seu pessoal, ficando a população usuária destes serviços totalmente prejudicada e a mercê de uma  empresa privada.

Levantamento orçamentário realizado pelo nosso pessoal da área contábil aponta para o seguinte cenário: a contratação de 35 pessoas incluindo encargos trabalhistas, tributos (pela empresa), os custos não ultrapassam a cifra de R$ 200 mil por ano. Somado  isto a aquisição de equipamentos fica em torno de R$ 200 mil. Toda operação feita pela citada empresa, ao logo de um ano, resulta em uma operação de gastos em torno de R$ 400 mil. O que significa dizer que haverá uma sobra próxima de de R$ 1 milhão.

De acordo com o exposto fica evidenciado que este não pode ser considerado um bom negócio, pelo menos para a população. Que no final do ano pagará a soma de R$1,3 milhão apenas com prestação de serviço. Importante observar que se tal importância de recursos fosse direcionada para a contratação de profissionais na área médica para prestar atendimento ao público, estas resultariam, ao longo do ano, em cerca de 10 mil novos atendimentos entre consultas e outros procedimentos específicos a área de saúde.

Informações sobre a licitação

LICITAÇÃO 034/2009,  PREGÃO PRESENCIAL, 011/2009

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA LOCAÇÃO DE SISTEMA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO DE SAÚDE, E EQUIP. DE COMUNICAÇÃO P/EXIBIÇÃO DA TV CORPORATIVA, SINALIZAÇÃO CORPORATIVA E DIGITAL VIA IP E CONTROLE DE ATENDIMENTO DA SEC MUNICIPAL DE SAÚDE E

UNIDADES DE SAÚDE.

FREIRE INFORMÁTICA LTDA

30.04.09

R$1.356.000,00

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9368 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).