O Carlismo não morreu

Antônio Alberto de Oliveira Peixoto.
Antônio Alberto de Oliveira Peixoto.

A ética, originada do grego ethos, que significa modo de ser, deve estar presente no dia a dia de todo seguimento da sociedade, pois ela é a ciência da moral, do comportamento humano.

Infelizmente as práticas obscenas executadas pelos Governos Carlistas, não foram para o túmulo com seu criador. Em Feira de Santana, este comportamento nefasto, sórdido, indecente veio à baila através dos Gestores Municipais, que pressionam os parceiros doJornal Grande Bahia, através de ameaças e até chantagens.

Não sei se seguidores do Carlismo ou de Maquiavel, estes senhores, com mentalidade “inquisitória” – coisas lá do século XV – deveriam saber que os veículos de comunicação existem para informar à sociedade a verdade, na sua forma mais transparente possível. Não se pode fechar os olhos para a realidade e ocultar os desmandos administrativos praticados, por componentes de quaisquer partido político. A imprensa não pode e não deve ser omissa.

Estas práticas de origens medievais já deveriam ter sido banidas há muitos séculos, porém, ainda existem pessoas que não possuem recursos éticos adequados, usando por isso, o poder, que lhe foi conferido pelo povo, para, com um chicote em uma mão e o espeto na outra, perseguir, ameaçar, chantagear, fazer o que for necessário para atingir seus objetivos.

A ética, originada do grego ethos, que significa modo de ser, deve estar presente no dia a dia de todo seguimento da sociedade, pois ela é a ciência da moral, do comportamento humano e contribui para estabelecer a natureza dos deveres, no relacionamento indivíduo-sociedade. Não podemos e não devemos aceitar práticas de séculos remotos onde a fogueira e a guilhotina eram a solução para problemas com os desafetos.

www.albertopeixoto.com.br

Sobre Alberto Peixoto 488 Artigos
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Dúvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozóide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua como incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antônio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: reyapeixoto@yahoo.com.br.