Memória de Feira: Uma breve história do Observatório Antares sob o olhar de Carlos Bacelar

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.

Primórdios do Observatório Antares

O interesse pelas questões ligadas à astronomia já envolvia um grupo de jovens feirenses desde a década de 1960. A fundação da Sociedade Astronômica Feirense (SAF), em 1966, precedeu, portanto, a existência do Observatório Antares, e me envolveu, a César Orrico, Olival Carneiro e Josemar Navarro, no qual fizemos parte. Construímos e testamos um foguete com aproximadamente 40 cm de comprimento e 14 cm de diâmetro, usando combustível sólido. Eu montei o painel de controle e o sistema elétrico, Olival preparou o combustível, Josemar e César, montaram a estrutura do foguete e no teste alcançou, aproximadamente, 150 mde altura. Depois de pouco tempo, a SAF se desfez por falta de recursos.

Quando eu tinha 17 anos, em 1968, o antigo interesse pela observação do universo, levou-me a comprar um telescópio de 180X, da Tasco, com 60 cm de comprimento, no qual fiz a adaptação de uma engrenagem dos ponteirinhos de um contador de luz a um motor, para fazer o telescópio acompanhar um astro em movimento e assim permitir a observação por bastante tempo. Assim, eu e os amigos, também curiosos com essas questões, passávamos um bom tempo observando os astros. César Orrico era vizinho e tínhamos uma boa amizade. Como ele também gostava de astronomia, ficou entusiasmado com a “invenção” e me chamou para montarmos um observatório. Tive que recusar a proposta, pois sabia que o investimento era muito alto e eu não dispunha de recursos.

Empenhado em concretizar este sonho, César começou a fazer visitas a pessoas potencialmente capazes de apoiar a iniciativa. Numa dessas visitas, em que se fez acompanhar por José Olímpio, Cesar levou o telescópio e conseguiram sensibilizar Beto Oliveira, que doou um terreno. Depois apareceu mais outro e, por fim, a imobiliária de Milton Falcão (Bubu), que cedeu um grande terreno no Jardim Cruzeiro. Foi escolhido este último, porque se situava mais próximo do centro da cidade, como Cesar queria, e era o maior dentre os colocados à nossa disposição. É neste local que hoje se encontra o Observatório Antares.

Foi então que Beto Oliveira, José Olímpio e Cezar foram até a casa do Deputado Áureo Filho, apresentar-lhe o projeto elaborado pelo arquiteto Everaldo Cerqueira. Ouviram, então, do deputado: “Feira de Santana não merece isso.” Eles ficaram espantados com a frase, e Áureo completou, dizendo: “Feira merece algo maior e temos que trazer o melhor para nossa cidade.” Convidou-os, então, para ir até o governador Antônio Carlos Magalhães, que entusiasmado com o projeto, mandou providenciar o que fosse necessário para erguer o observatório.

Em 25 de setembro de 1971, o Observatório Antares foi fundado por Augusto César Pereira Orrico.

O empenho de ver erguido o prédio em que funcionaria o observatório levou José Olímpio, em meados de1972, a começar a construção dos alicerces. A construtora Teto deu continuidade, fixando, primeiramente, isolada de toda a estrutura do prédio, com uma profundidade de aproximadamente 10 metros, a coluna onde foi colocado o telescópio e depois o resto da estrutura até a conclusão.

E vimos levantar-se o prédio. Após a construção da coluna, para a colocação do telescópio, edificou-se a estrutura central para montar a cúpula e depois foi construída a frente, onde foram instalados o auditório, a biblioteca e a recepção. Em março de 1974, foi adquirido o primeiro telescópio refrator de 152/2.286 mm (2,28 m) de comprimento, de fabricação americana, depois de pouco tempo foi colocado a cúpula de 5 m de diâmetro.

Em pouco tempo foram feitas as primeiras fotos no Observatório, o eclipse da Lua, com duas incidências: uma da sequência do eclipse, em 5 exposições numa só foto, que foi feita na minha máquina fotográfica, que ainda usava filme 120 — para conseguir esta foto, posicionei-me na parte externa da cúpula, com a máquina presa a um tripé; as outras fotos foram feitas no telescópio, pelo fotógrafo Magalhães, e com a presença de Cesar e do jornalista Eguiberto Costa, que acompanharam a passagem do eclipse. Após a montagem da máquina fotográfica no telescópio refrator de 2.28 m para obter as fotos, um problema surgiu: não conseguiam foco.

Diante dessa situação fui averiguar a razão da ocorrência e descobri que havia um alongamento na ocular do telescópio que fazia a diferença de foco entre os olhos e a máquina fotográfica; estava recuado e precisei apenas puxar para que o foco normalizasse. Resolvi o problema e o telescópio produziu as fotos que foram divulgadas no jornal. Esse primeiro evento fotográfico do Observatório foi divulgado em entrevista concedida por Cesar a um jornal, entretanto foi decepcionante, pois a matéria não deu o merecido crédito à equipe que estava presente, cujo esforço resultou no sucesso do acontecimento. Resolvi, então, afastar-me do observatório e só aparecia como visitante.

Em outra ocasião, desejando tirar uma foto de Saturno, não obtive de Cesar a devida autorização. Dias depois, graças ao apoio de um dos funcionários, que também tinha interesse de ver esta imagem, adaptei minha máquina, para encaixá-la no telescópio, coloquei-a na ocular, fiz o balanceamento, para não forçar o sistema de engrenagem do telescópio, direcionei o telescópio ao planeta Saturno e fiz a foto, que pode ser visualizada a seguir.

Na década de 1970, o Observatório lançou algumas publicações, dentre as quais se destacam: em dezembro de 1973, o livreto sobre a passagem do cometa Kohoutek; em janeiro de 1975 o mapa do céu da Bahia, trazido do Observatório Nacional do Rio de Janeiro, pelo astrônomo Rogério Mourão; e em 1979 o anuário do Observatório, com orientação do astrônomo Rogério Mourão.

O Observatório foi doado inicialmente à prefeitura de Feira, mas como não havia recursos para manter e dar continuidade aos trabalhos científicos, a partir de novembro de 1994 foi incorporado à Universidade Estadual de Feira de Santana. Sua localização dentro da cidade de Feira de Santana, entretanto, não é adequada para a pesquisa observacional. Os observatórios astronômicos devem ser sediados longe da poluição atmosférica das grandes cidades, num sítio de grande transparência atmosférica, sem luminosidade e de clima seco, em grandes altitudes, sem vibração terrestre, longe da passagem de veículos. Assim são os grandes observatórios existentes no mundo.

César está afastado do Observatório a mais de dois anos.

Hoje o Observatório Antares está funcionando com algumas atividades astrofísicas, científicas, para a Universidade, colégios e para o público, etc. No final deste mês, o Observatório Antares, está comemorando os 40 anos da primeira viagem do homem à Lua, com muitas surpresas.

O dia 20 de julho de 1969, foi um marco para a história norte-americana e também para o resto do mundo, por ter sido o dia em que o homem, finalmente, pisou na Lua, o único satélite natural da Terra, distante384.400 quilômetros de nós.

 A façanha foi realizada por três astronautas norte-americanos, Neil Armstrong, Michael Collins e Edwin Aldrin, integrantes da missão Apollo 11. Foi Neil Armstrong quem colocou os pés na Lua. Milhões de pessoas acompanharam esse evento pela televisão, que transmitiu as cenas via satélite, e pelo rádio, mas até hoje tem gente que não acredita. Parecia mesmo incrível que a tecnologia pudesse realizar uma façanha como aquela.

Observação:  Devido à falta das Atas do Observatório, não obtive informações de todas as datas. Algumas foram localizadas no jornal  Feira Hoje, com  José Olímpio, e outras  junto a Francisco Roque, encarregado da manutenção do observatório que, desde o início da construção, quando atuou como pedreiro, até hoje acompanha o desenvolvimento do Observatório Antares. O Sr. Raimundo Gama, Zé Olímpio,  Sr. Melo do Jornal Folha do Norte e Magalhães, colaboraram com a cessão dos jornais, algumas fotos e o anuário.

Meus agradecimentos.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113755 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]