Crises diversas provoca o êxodo de fabricantes do Pólo de Informática de Ilhéus

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Catedral Metropolitana de Ilhéus. Solução econômica passa por investimentos na indústria do turismo.
Catedral Metropolitana de Ilhéus. Solução econômica passa por investimentos na indústria do turismo.
Catedral Metropolitana de Ilhéus. Solução econômica passa por investimentos na indústria do turismo.
Catedral Metropolitana de Ilhéus. Solução econômica passa por investimentos na indústria do turismo.

O Pólo de Informática de Ilhéus (BA) criado em 1995, no meio da crise da produção cacaueira, como alternativa de atração de investimentos – faturou, em 2006, R$ 1,97 bilhão e havia perspectiva de crescimento na ordem de 15% em 2007. Mas, segundo acusou na época o presidente do Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos, Computadores, Informática e Similares dos Municípios de Ilhéus e Itabuna (SINEC), Gentil Pires Filho, com a Operação Dilúvio, deflagrada em agosto de 2006, que tinha como alvos quatro empresa do pólo, entre outras como a Operação Persona em que 14 indústrias da área estavam entre as citadas em investigações sobre fraudes. O estrago já estava feito.

 E ao que tudo indica, ele estava certo. A difícil situação do Pólo de Informática de Ilhéus foi agravada em seguida, com o sistemático êxodo de fabricantes. A Waytec foi para Santa Rita do Sapucaí (MG), além do fato de que quase todos os produtos da Megaware agora são produzidos em Belo Horizonte. Em Ilhéus, restou apenas a produção de gabinetes. Além das causas apontadas no início da matéria, pesa contra o setor a diferença da alíquota do ICMS entre os Estados, problemas de logística, como a desativação de aeronaves para o transporte de componentes e a falta de rota marítima e de um aeroporto alfandegário, e de infraestrutura.

Banner do Governo da Bahia: Campanha 'Aqui é trabalho', veiculada nesta sexta-feira (04/11/2021).
Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).