Mudanças na Bahia superam o carlismo afirma o governador Jaques Wagner na revista Nordeste | Por Oldack Miranda

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Oldack Miranda fez parte da resistência democrática e foi preso e torturado por prepostos da ditadura militar.
Oldack Miranda fez parte da resistência democrática e foi preso e torturado por prepostos da ditadura militar.
Oldack Miranda fez parte da resistência democrática e foi preso e torturado por prepostos da ditadura militar.
Oldack Miranda fez parte da resistência democrática e foi preso e torturado por prepostos da ditadura militar.

Eu não leio a revista Nordeste, editada há três anos pelo jornalista Walter Santos. Isso por pura antipatia pela presença do articulista Ipojuca Pontes, com sua ofensiva linguagem anti-lulista, antipetista, direitista e característica dos militares anticomunistas do Brasil. É quase um Diogo Mainardi, só que com menos erudição e talento. Na verdade, a revista é uma imitação da revista Veja. Não tem “páginas amarelas”, tem “páginas azuis” para as entrevistas. Nem a presença constante da economista Tânia Bacelar equilibra a linha editorial disfarçada de artigos de opinião. Agora o editor resolver convidar Delfim Neto e José Dirceu, não sei ainda se para sempre.

Apesar da antipatia, a edição de maio/junho me chamou atenção pela entrevista do governador Wagner, intitulada “Mudanças na Bahia superam o carlismo”, concedida a Walter Santos e Juan Torres. Wagner fez 31 citações ao presidente Lula. Ele faz questão de mencionar sempre intimidade com Lula. Wagner reconheceu a importância do governo FHC e do Plano Real para a estabilização da economia, criticou a guerra fiscal entre os estados do Nordeste e ressaltou a responsabilidade de substituir o carlismo na Bahia, depois de 16 anos de domínio da família Magalhães.

Jaques Wagner cita a perda de R$ 300 milhões na arrecadação estadual em conseqüência da crise financeira, minimizada pela antecipação de R$ 375 milhões do FUNDEB; ressalta o acerto dos programas sociais como alavancadores da economia, aplaude o Bolsa Família que injeta R$ 3 bilhões na Bahia que tem um orçamento de R$ 20 bilhões, manifesta esperança no retorno da Sudene como instrumento de desenvolvimento regional. Mesmo tendo a Bahia uma economia duas vezes maior que Pernambuco, a segunda maior economia nordestina, Wagner combate a tentação da hegemonia.

Wagner define-se como totalmente engajado no projeto de sucessão comandado pelo presidente Lula, representado pela pré-candidatura da ministra Dilma Roussef. E faz duras críticas aos governos antecessores carlistas que deixaram na Bahia a pior educação do país, a pior saúde pública do país, 2 milhões e 150 mil analfabetos acima de 15 anos. Era um sistema político arcaico, carimbado,que funcionava pela vontade de uma ou duas pessoas, que se orgulhavam de governar com um chicote na mão e dinheiro na outra para comprar consciências. Não é fácil mudar uma cultura de 40 anos. E aquela “marcha dos prefeitos” que ocorreu na Bahia? Foi uma estranha marcha. Diziam que viriam 250 prefeitos insatisfeitos, não apareceram 80. O governo preparou um auditório para receber os “250 prefeitos”. Não apareceu ninguém.

Apesar de minha antipatia pessoal pelos articulistas que pregam uma ideologia de direita, a revista Nordeste publica boas reportagens sobre a realidade da economia nordestina.

*Por Oldack de Miranda é jornalista, escritor (foi co-autor do livro biográfico Lamarca, Capitão da Guerrilha), é Assessor de Comunicação e Ouvidor Especializado do DESENBAHIA – Agência de Fomento do Estado da Bahia S.A.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123274 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.