ONU quer equilíbrio entre trabalho e família

O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um site de notícias com publicações que abrangem as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador, dirigido e editado pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto.

Estudo da OIT e do Pnud diz que cerca de 100 mil trabalhadoras da América Latina e do Caribe sofrem com falta de melhores políticas sociais de apoio às mulheres.

Um relatório das Nações Unidas revela que mais de 100 mil mulheres que trabalham na América Latina e no Caribe estão sofrendo com a falta de equilíbrio entre família e profissão.

O documento, divulgado nesta quinta-feira, em Genebra, na Suíça, sugere que a resposta adequada ao problema é um passo importante no progresso do equilíbrio entre os sexos.

Obrigação

O estudo “Trabalho e Família: Uma Nova Chamada às Políticas Públicas de Reconciliação com Co-Responsabilidade Social” foi preparado pela Organização Internacional do Trabalho, OIT, e pelo Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud.

A representante da OIT no Brasil, Laís Abramo, que compareceu ao lançamento, disse à Rádio ONU, de Genebra, que o trabalho doméstico ainda é visto por muitos como uma obrigação feminina.

Faixa Etária

“Enquanto não houver um melhor equilíbrio das tarefas domésticas e não se superar a visão de que a mulher é, por excelência, a responsável pelo trabalho doméstico, não haverá as mesmas inserções de homens e mulheres no mercado de trabalho”, afirmou.

Segundo o relatório da ONU, 53% das mulheres latino-americanas e caribenhas estão trabalhando fora. Na faixa etária de 20 a 40 anos, a mão-de-obra feminina é de 70%.

Economia Informal

A falta de equilíbrio entre família e profissão causa problemas que afetam o desempenho, a estabilidade e o compromisso da mulher no emprego.
O relatório também mostrou políticas que têm dado certo em vários países. Mas de acordo com a OIT, muitas mulheres não recebem a cobertura por atuarem na economia informal.

O documento também alertou para a disparidade salarial de homens e mulheres. Em média, as trabalhadoras da América Latina recebem apenas 70% do ordenado de um empregado do sexo masculino.

Mercado

Para Laís Abramo, apesar da desvantagem existir em todo o mundo. Nos países em desenvolvimento, a situação é mais desfavorável.

“As mulheres se concentram em tipos de ocupação e profissões que são menos valorizadas no mercado de trabalho e por isso acabam recebendo menos. Este é um tema central em políticas de liberdade de gênero”, informou.

As duas agências da ONU recomendaram uma série de medidas e estratégias públicas, mas que também envolvem sindicatos, organizações sociais e trabalhadores.

Também participou do lançamento do relatório em Genebra, a ministra da Secretaria Especial de Política para Mulheres, Nilcéa Freire.

*Com informações da Rádio ONU em Nova York.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108106 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]