Revitalizar é preciso: Praia de Buraquinho necessita de maiores investimentos

Ricardo Campos.
Ricardo Campos.
Ricardo Campos.
Ricardo Campos.

O litoral norte de Salvador hoje é a melhor opção para os amantes de lugares com belezas exuberantes; a praia de Buraquinho, em Lauro de Freitas é um deles. Um paraíso, com uma paisagem natural difícil de ver. Quando Ricardo Campos, 36 anos, passou a frequentar o local, o que ele via era um espaço limpo, organizado e cheio de artistas e políticos. Segundo ele, Bell Marques, Ernesto Jabor, Regina Casé, dentre outros nomes da sociedade e da cultura eram os frequentadores assíduos.

 Segundo afirma Campos a marginalização do local, de fato afastou os visitantes, um exemplo foi dizer que em Buraquinho tinha trafico de drogas, era reduto de assaltos e assim por diante. Por causa disso, a praia tornou-se estacionamento e Vilas do Atlântico passa a ser o local preferido. “A administração anterior deixou Buraquinho abandonado”, ele conta que ao assumir a prefeitura de Lauro de Freitas em 2005, Moema Gramacho encontrou o calçadão totalmente destruído e a praia estava cheia de mato e lixo.

Logo, a Prefeita deu inicio ao processo revitalização, ouvindo toda comunidade e este projeto de se construir uma Praça em Buraquinho, somente falta começar a obra. Não é muito, porém é começo de alguma coisa, diz ele.

Para Campos, os comerciantes pensam em Buraquinho num espaço com desenvolvimento turístico, estacionamento organizado, a coleta de lixo regular, além disso, uma praia limpa. Segundo ele, a prefeitura estaria comparando uma máquina própria para limpar as areias da praia; devido a poluição.
Investimentos em infra – estrutura, como estacionamento, saneamento e o principal que é o Departamento Ambiental do local; estes deveriam ser o carro – chefe do Governo Municipal para modernizar a praia de Buraquinho, afirma Jonas Souza, 49, atual presidente da Colônia de Pescadores de Buraquinho. Para ele, isso é o mais importante, pois o Rio Joanes está degradado e com esta medida, a população ribeirinha vai ser a mais beneficiada, com também os pescadores terão algo de bom para mostrar ao visitante.

Souza chama a atenção das autoridades que há 16 anos, o turista viajava pelo rio Ipitanga, a água era tão limpa, que dava para fazer piquenique; mas nos últimos anos, o quadro é de sujeira. Na opinião dele, os investimentos do Governo Municipal são poucos. O Departamento de Gestão Ambiental, o órgão responsável pela fiscalização, mas para o pescador é fundamental a criação de algumas normas, por exemplo, permitir a construção de imóveis perto do rio, apenas quem estiver com o alvará do bio-fossíl, o que na opinião de Sousa ameniza bastante a natureza.

Mesmo com toda esta fiscalização, notificação, ele não tem visto resultado, uma vez que as construções irregulares próximo à praia continuam. Sousa espera uma ação mais rígida por parte do Ministério Público; porque o que isso tem feito que o número de passeios no rio tenha diminuído, e se este processo continuar, a tendência é parar, complementa.

O pescador Funerário afirma que a praia precisa ser divulgada, por achar que Buraquinho é a melhor praia de Lauro de Freitas só vêem uma placa no Bom Preço; o local é carente de um modulo policial, para evitar que os visitantes sejam assaltados e criar um espaço poliesportivo para que os turistas ao trazerem seus filhos, tenham mais uma opção de lazer.

A Associação de Pescadores 

A Colônia existe desde 1998. Os pecadores buscaram um financiamento junto ao Banco do Nordeste e foram orientados a criar uma Associação, assim o pescador teria maior força jurídica. Depois disso, eles se reuniram em assembléia e daquele dia, nascia A colônia passava a ser chamada de Associação de Pescadores de Buraquinho, conta Jonas Souza, quatro mandatos no comando da instituição.

Naquela época, entre marisqueiras e pescadores, tinha-se 124 associados; hoje, são 154. Os primeiros benefícios da criação desta Associação foram: elaboração de projeto para Secretaria de Combate à Pobreza (SECOP) e o Governo Federal Concedeu a eles R$300 mil, que foi transformado em quatro embarcações. Souza conta que, além disso, os pescadores e marisqueiras tiveram treinamento adequado.

Ele diz que o projeto vai permanecer, mesmo não tendo sido concluído, devido a mudança de secretaria, como também é necessário toda uma fiscalização. Jonas Souza explica que os profissionais do órgão entrevistam os pescadores para saber se foi rentável, entre outras coisas.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111199 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]