A idade do chá

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Antônio Alberto de Oliveira Peixoto.
Antônio Alberto de Oliveira Peixoto.

Com certeza absoluta não vou escrever sobre o Xá da Pérsia, que no principio da década de 60, andava preocupado com a sucessão, com a bela Soraia e seus olhos verdes, que não lhe dava um herdeiro, só conseguindo o que queria com Farah Diba. Muito menos do chá mais famoso do mundo que é o Prêt-à-Portea, servido todos os dias das 14 às 18 horas no Caramel Room, um dos restaurantes mais famosos de Londres.

Na verdade a idade do chá, a que me refiro, é aquela em que passamos a ingerir todo tipo de beberagem, seja feita com erva cidreira, caatinga de porco, capim santo, alumã, entre outros. É a velhice que já chegou. Esta idade sintetiza o que muita gente sempre nos responde quando perguntamos: “como você está? Eu vou indo como Deus quer. Estou cheio (a) de dores nas costas, no pescoço, nos braços, por todo o corpo… vou levando”.

A idade do chá é a porta de entrada para a fase do condor. Quem atinge este período, passa a sempre estar preocupado com a febre, tosse, pneumonia, vacina para idosos, e, os tradicionais disque idoso e disque saúde. É como se uma motonivelador tivesse passado por cima dele. À medida que se envelhece torna-se menos ativo, perde-se massa muscular e adquire-se peso em forma de gordura, por isso é necessário que se faça um bom plano de saúde.

Saiba mais sobre o autor: www.albertopeixoto.com.br.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Alberto Peixoto 487 Artigos
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Dúvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozóide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua como incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antônio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: reyapeixoto@yahoo.com.br.