Em Feira de Santana, Moacir Mansur tenta equilibrar-se entre ser agência de publicidade e veículo de comunicação e infringe Lei que regulamenta setor

Engenheiro Carlos Moacir de Athayde Mansur de Carvalho é diretor da Agência Cidade Propaganda.Engenheiro Carlos Moacir de Athayde Mansur de Carvalho é diretor da Agência Cidade Propaganda.
Engenheiro Carlos Moacir de Athayde Mansur de Carvalho é diretor da Agência Cidade Propaganda.

Engenheiro Carlos Moacir de Athayde Mansur de Carvalho é diretor da Agência Cidade Propaganda.

O publicitário Carlos Moacir de Athayde Mansur de Carvalho diretor da agência de publicidade Cidade, localizada em Feira de Santana, é um dos responsáveis pela aplicação das verbas publicitárias da PMFS (Prefeitura Municipal de Feira de Santana). Ele tenta repetir no governo de Tarcízio Pimenta a prática adotada no governo de Ronaldo, de montar um veículo de comunicação ao mesmo tempo em que é o responsável pela destinação da publicidade deste mesmo governo. Tornando-se responsável pela confecção das peças publicitárias e divulgação, no seu próprio veículo de comunicação, das mesmas.

Durante o governo de Ronaldo, a Cidade Propaganda, dirigida por Mansur, era responsável por boa parte das verbas publicitárias, ao mesmo tempo em que divulgava na extinta Tv Urbana (empresa de sua propriedade, que utilizava a rede de ônibus municipal) publicidades da Prefeitura de Feira e informações jornalísticas. A empresa encerrou suas atividades devido aos altos custos operacionais, o fechamento dela coincide com o período em que o governo de Ronaldo suspendeu o repasse de verbas para o setor.

Atualmente, o publicitário ensaia uma nova investida, desta, em parceria com o secretário municipal de comunicação, Edson Borges. Ambos gravaram um vídeo piloto com Tarcízio Pimenta (prefeito de Feira de Santana) tendo como objetivo final, divulgar na Tv Princesa, que deve ir ao ar, através de um canal a cabo na Net, mensagens do governo municipal. No esquema caberia a Mansur a operação da TV, o que lhe possibilitaria captar recursos do setor privado, ao mesmo tempo em que recebe verbas públicas.

Justificativas se vierem serão extremamente estranhas e ensejam mais suspeitas do que dúvidas:

1º com tantos funcionários radialistas e jornalistas, o que leva a prefeitura a contratar uma empresa de publicidade para produzir conteúdo jornalístico?

2º se o governo não dispõe de equipamentos para produção de vídeo, deveria contratar uma produtora e não uma agência, pois, também é proibido que agência de publicidades seja produtora de vídeo.

3º Investir em um meio de comunicação de baixíssima visibilidade (Tv a Cabo NET), que não pauta a mídia, que atinge um reduzido público com médio e alto poder aquisitivo, é no mínimo, jogar o dinheiro público no ralo da negligência.

Imoral e ilegal somam-se à prática denunciada, que é condenada pela lei 4680 de 18 de junho de 1965, regulada pelo decreto presidencial nº 57.690 de 1º de fevereiro de 1966 e pelo código de ética da categoria que estabelece uma clara distinção entre veículo e agência.

Da Agência de Propaganda

Art 6º Agência de Propaganda é a pessoa jurídica especializada nos métodos, na arte e na técnica publicitários, que, através, de profissionais a seu serviço, estuda, concebe, executa e distribui propaganda aos Veículos de Divulgação, por ordem e conta de clientes anunciantes, com o objetivo de promover a venda de mercadorias, produtos e serviços, difundir idéias ou informar o público a respeito de organizações ou instituições a que servem. (DECRETO Nº 57.690, DE 1 DE FEVEREIRO DE 1966)

CF/1988 protege a fonte

O Jornal Grande Bahia teve acesso às informações e documentos publicados utilizando o direito constitucional do sigilo da fonte (Constituição Federal de 1988 – Capítulo I, Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos, Artigo XIV – é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional).

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).