Muito breve ensaio sobre a solidão

Juarez Duarte Bomfim.
Juarez Duarte Bomfim.

Quero falar hoje da dor que consome os seres. Da dor de olhar pros lados, pra dentro, e se ver vazio, solitário. Da angústia corrosiva, do grito frustrado de pedido de socorro. Da lembrança marcante da infância, da família, dos amigos, de tudo isso que já se foi e não volta mais. Nunca mais.

Quero falar do olhar que encontrou-se com o meu nesta manhã. O olhar de um homem, com mais de cinqüenta anos, estrangeiro, morando há mais de vinte anos no Brasil. Homem inteligente, poliglota, com bom discernimento das coisas, senso de humor elevado. Seus olhos, por um momento, encheram-se de lágrima quando perguntei o porquê de haver tentado suicídio por duas vezes; quando quis saber o que o incomodava tanto. E este vivido senhor respondeu com a voz travada, como quem responde algo tão particular; como quem responde a uma pergunta que toca a sua dor mais profunda:

– A solidão.

Lembrei do meu pai e de todas aquelas pessoas que conhecia, e que deveriam ter a sua idade.

Naquele instante não era mais o dono dos questionamentos mundanos, não era mais o bom jogador de xadrez, o pai, amigo. Era somente um ser frágil, como eu, você e todo o resto.

Juarez Duarte Bomfim
Sobre Juarez Duarte Bomfim 740 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]