Limão no copo | Por Amilton Baratelli

Logomarca do Jornal Grande Bahia
Logomarca do Jornal Grande Bahia

Venho através desta informar de um desastre ocorrido,
infelizmente, em minha família.

Longe de ser uma daquelas correntes que só enchem
nossa caixa postal, este é um aviso para que não ocorra
o mesmo sofrimento com outras pessoas.

Viajei com meu irmão na passagem do ano para a
famosa praia de CAMBORIÚ-SC. No sábado (04/01/09)
fomos nos divertir em uma casa noturna chamada
IBIZA onde havia muita gente bonita, ambiente
aconchegante.

Foi uma noite super divertida. No domingo de manhã
meu irmão acordou com fortes dores no estômago,
febre alta e espasmos musculares.

De imediato o levamos ao HOSPITAL SANTA INÊS
em Balneário Camboriú. Muitos exames e 04 dias
de internamento depois, de início, eu suspeitava que
os médicos sabiam o que ele tinha, mas não queriam
contar. Falavam que, possivelmente, fosse uma
Salmonella mas eu descartei a possibilidade já que
nossa alimentação havia sido somente em casa.
No dia 08/01/06 meu irmão infelizmente veio a falecer
e, como os médicos ainda não haviam nos passado o
diagnóstico, contactei meu advogado que entrou em
contato com o Hospital.

Tivemos uma reunião diretamente com o Diretor do
Hospital. Para nossa surpresa o caso era o seguinte:
as casas noturnas servem cervejas LONG NECK E
REFRIGERANTES e muitas pessoas pedem para que
seja colocado uma FATIA DE LIMÃO para um
‘toque especial’ (e porque não dizer mortal)…

Decidi fazer umas pesquisas por conta própria, já que
tenho um amigo próximo, pesquisador da escola
de Biologia da Universidade Federal de Santa Catarina.

Desta forma, pude descobrir que, apesar de tudo estar
sendo abafado pelos fabricantes de cerveja, o problema,
está nos limões fatiados que não são utilizados
prontamente, e muitas vezes eles são fatiados antes
mesmo dos bares e restaurantes abrirem, durante a tarde.
Ácido cítrico do limão ‘velho’ em ação com os
conservantes estabilizantes excessivos presentes na
cerveja são um paraíso para micro organismos já
existentes naturalmente nas cervejas.

(Sacarovictus Coccus Cevabacillus ativus)

tipo draft. O resultado é a produção de uma toxina
altamente nociva ao nosso organismo.
A sugestão para quem talvez não acredite nesta
mensagem seria pedir que o garçom fatie o limão
NA HORA E NA SUA FRENTE, isso minimiza em muito
o risco de qualquer tipo de infecção.

Peço humildemente que divulguem este e-mail,
nada trará meu irmão novamente, mas muitas vidas
poderão ser poupadas.

Nessa até refrigerante com a famosa fatia de limão,
ou a cuba libre.

Não deixem o limão aberto para consumir mais tarde.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108701 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]