Investir em feiras regionais: por que não? /Por Reginaldo Valentim Chaves

Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.

O Brasil é um país continental onde a expansão do segmento de feiras de negócios sempre surpreeende. Em 2009 a expectativa do mercado era que teríamos algo em torno de 650 feiras de expressão internacional, nacional e regional, abrangendo pelo menos 30 segmentos econômicos.

Entretanto, as pesquisas realizadas pela equipe Feiras do Brasil já catalogaram mais de 800 feiras e este número não deve parar por aí. E o que mais chama a atenção é o crescimento das feiras regionais que se espalham por todo país. Até o momento foram registrados dados de 350 eventos regionais, mas tudo indica que este número continuará a crescer, pois os promotores começam a perceber que a divulgação não deve ficar restrita à região em que os eventos se realizam. Pelo contrário, deve atingir os grandes centros para ampliar o fluxo de turistas e atrair empresas interessadas em mostrar seus produtos e serviços diretamente aos potenciais clientes de determinada região ou segmento econômico.

Mercado abrangente, oportunidades de negócios

Quando pensamos em feiras sempre nos vem em mente as grandes feiras organizadas na região sul e sudeste do país que representam em termos de movimentação, mais de 85% do setor de feiras brasileiro. Mas se subirmos para as regiões centro-oeste, norte e nordeste, ou mesmo analisando os pólos econômicos do interior dos Estados de uma maneira geral, qual o tamanho do potencial a ser explorado por expositores e prestadores de serviços?

É importante comentar que muitos promotores de feiras, entre os considerados líderes de mercado, gradativamente, estão partindo para novas regiões do país, com destaque para o Nordeste, levando seu expertise em feiras que, juntamente com o implemento de estrutura de pavilhões e novos centros de eventos, podem a longo prazo, estimular a ampliação e profissionalização do segmento brasileiro de feiras em outros centros de negócios do Brasil. Nos parece, portanto, uma tendência de desconcentração do segmento de feiras o que pode indiretamente estimular o fortalecimento das feiras regionais.

Peculiaridades das feiras regionais

Em termos de tipificação de feiras e exposições como regionais, tem-se por critério a abrangência geográfica, ou seja, até que distância o evento foi planejado para exercer sua atração. Na prática, verificamos algumas características predominantes nas feiras regionais, as quais resumidamente descrevemos a seguir:

Possuem caráter político, institucional e comercial, com foco no público consumidor e nos negócios regionais

Sua organização é feita, de modo geral, pelos governos estaduais, prefeituras, entidades locais e diversos empreendedores da região
Segmento predominante: agropecuário, comercial e industrial

Feiras de caracteristica multissetorial

Os eventos respeitam, em sua maioria, uma agenda definida a partir de datas festivas

Realizam eventos paralelos dirigidos ao público geral, como shows musicais, rodeios, entre outras atrações culturais

Promovem eventos paralelos dirigidos à formação empresarial, atualização profissional e difusão do conhecimento

Eventos ganham importância para o desenvolvimento turistico da região

Divulgação de informações pela imprensa ou pela internet pouco eficaz

Permitem maior acesso de micro e pequenas empresas

Expositor: custo acessível

As feiras regionais se apresentam como uma forma mais barata de comunicação direta com potenciais compradores. Isto porque o custo de participação nestas feiras é bastante acessível o que permite acesso à expositores de todos os portes e o desenvolvimento de negócios locais, com o contato com as mais diversas categorias de visitantes como compradores em potencial, clientes, vendedores de outros produtos, potenciais fornecedores, representantes e distribuidores, além da oportunidade de se relacionar com jornalistas e autoridades locais. O ponto negativo é em termos de infra-estrutura e mão de obra especializada. Nestes mercados regionais, o expositor deverá lidar com a falta de profissionais capacitados e dificuldades no receptivo turístico.

Prestador de serviços: um filão

Enquanto nos tradicionais pólos de feiras sobram empresas prestadoras de serviços, em feiras regionais, a oferta é bem menor que a demanda. Não se trata apenas de empresas que fornecem artistas para a programação de shows que tradicionamente correm atrás destes eventos. Montadores de estandes, recepcionistas, assessores de imprensa, enfim, toda a infra-estrutura de apoio seja ao expositor, seja ao organizador de eventos, são fundamentais para as feiras regionais.

Análise com lupa nas mãos

Os números são surpreendentes, o cenário é rico, as oportunidades são vastas entretanto é preciso lupa na mão para escolher o evento certo. A decisão de participar em uma determinada feira regional deve estar consubstanciada em um sólido conjunto de informações como os resultados da edição anterior, conversar com os promotores para tirar todas as dúvidas a respeito do evento, conversar com expositores para conhecer as impressões e referências, acompanhar a repercussão na mídia local, e sobretudo antes de participar, visitar a feira que estiver dentro do perfil desejado com olhos de visitante e com olhos de expositor.

O Brasil é um país de oportunidades. Basta estar atento para identificá

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106730 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]