Implantação do acolhimento nos Centros de Saúde | Por Carlos Lima

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.

Histórico

“Dra. Jacira Abrantes, diretora empossada em dezembro de 2007, na Diretoria de Atenção Primária a Saúde e Estratégia de Saúde da Família – DIAPS, em reunião no dia 7 de janeiro de 2008, com as Gerências e Chefias que compõem a sua diretoria, apresentou a idéia de implantar o Acolhimento na Atenção Primária de Saúde para enfrentar as dificuldades de acesso aos serviços e garantia à atenção integral à saúde, como para modificar o quadro de desvalorização dos trabalhadores da saúde e de desarticulação das ações e programas”.
Atualmente funciona com certa eficiência nos Centros de Saúde do Distrito Federal e em municípios do sul do país.

O prefeito Tarcizio Pimenta deve consolidar e aperfeiçoar os serviços de Acolhimento nos Centros de Saúde em Feira de Santana.

Apesar dos avanços e das conquistas do SUS, ainda existem grandes lacunas no modelo de atenção e gestão dos serviços no que se refere à regulação do acesso e ao modo como o usuário é recebido. Entretanto, para que se efetivem mudanças, é necessário o envolvimento do conjunto dos profissionais de saúde no sentido de modificar o cotidiano do seu modo de operar o trabalho em todos os setores da saúde pública.

No caminho a ser percorrido, em busca dos serviços de saúde que são prestados pelo SUS, o usuário procura alguém que possa conduzi-lo à solução de seus problemas. A maioria desses usuários não encontra resolutividade, palavra que anda em moda e que quase nada significa na solução dos problemas de saúde que são enfrentados no dia a dia dos usuários dos serviços do Sistema Único de Saúde.

O cidadão deseja ser acolhido, compreendido em suas necessidades, examinado, orientado e sentir-se confiante da atenção e responsabilização dos profissionais em manter, recuperar ou restabelecer seu bem estar.

O acolhimento para a Política Nacional de Humanização é uma ação tecno-assistencial que pressupõe a mudança da relação profissional / usuário e sua rede social, através de parâmetros técnicos, éticos, humanitários e de solidariedade. Reconhecendo o usuário como sujeito e participante ativo no processo de produção da saúde. Essa orientação está nos documentos do Ministério da Saúde.

O acolhimento é um modo de operar os processos de trabalho em saúde, de forma a atender a todos que procuram os serviços, assumindo uma postura capaz de acolher, escutar e pactuar respostas mais adequadas aos usuários.

Implica prestar um atendimento com responsabilização, orientando – quando for o caso – o paciente e a família em relação a outros serviços de saúde para continuidade da assistência e estabelecendo articulações com estes serviços para garantir a eficácia desses encaminhamentos.

Neste sentido, no contexto de re-estruturação da Secretaria Municipal de Saúde, de Feira de Santana, nesse ano de 2009, conforme desejo do prefeito Tarcizio Pimenta, o acolhimento deve ser definido como um dos projetos prioritários da Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana para este ano de 2009, visando qualificar, ampliar, humanizar e dignificar as ações na prestação dos serviços do SUS em Feira de Santana.

Esse projeto abre a perspectiva de transformar a organização do processo de trabalho nos serviços de saúde com o objetivo de aumentar o acesso à atenção integral de boa qualidade, atuando de forma transversal em toda a rede de serviços. Mesmo porque, o acolhimento não é um espaço ou local, mas uma postura ética e não pressupõe hora ou profissional específico para fazê-lo.

Em documentos do Ministério da Saúde encontrei a seguinte definição: “Colocar em ação o acolhimento, como diretriz operacional, implica em uma reorganização do serviço de saúde a partir da problematização do processo de trabalho, de modo a possibilitar a intervenção de toda equipe multiprofissional encarregada da escuta e da resolução do problema do usuário, promovendo mudanças estruturais na forma de gestão do serviço de saúde, ampliando os espaços democráticos de discussão e decisão. A equipe neste processo pode também garantir acolhimento para seus profissionais e às dificuldades de seus componentes na acolhida à demanda da população”.

*Por Carlos Antonio de Lima, brasileiro, natural de Caruaru, Estado de Pernambuco, nasceu no dia 22 de dezembro de 1951. Jornalista e radialista. Atualmente Tesoureiro da Academia Feirense de Letras, membro do MCC – Movimento do Cursilho de Cristandade da Arquidiocese de Feira de Santana, âncora do programa jornalístico Jornal da Povo, da Rádio Povo, emissora que pertence ao Sistema Pazzi de Comunicação e chefe de Redação e Divulgação da Secretaria Municipal de Comunicação Social.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113699 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]