Balcão de apostas | *Por Alexandru Solomon

Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.

Segundo o dicionário Houaiss, aposta é “um ajuste entre pessoas com opiniões diferentes acerca de um fato, que será averiguado posteriormente, devendo aquela que perder ou errar em seu julgamento pagar à outra o valor anteriormente estipulado”. Em Londres é possível encontrar apostadores dispostos a qualquer loucura, até a arriscar quanto às possibilidades de o Cazaquistão tornar-se campeão mundial de futebol em 2010.

O ministro Guido Mantega especializou-se em fazer apostas de antemão perdidas? À medida que se aproxima o final do jogo cujo resultado final prognosticou, ele refaz os termos da aposta. Em 2009, vamos crescer 4%, talvez 3% ou talvez algum valor menor – para citar a última forma. Apostas de geometria variável, em suma.
Va bene, não convém espalhar o pânico, mas o papel de encantador das massas já é desempenhado pelo Presidente da República. Ao técnico – Mantega – cabe ser mais cuidadoso com seus palpites, a menos que os esteja fazendo para iludir, por algum tempo, os (cada vez mais) raros dispostos a prestar atenção no que ele afirma, pois fica cada vez mais intensa a sensação de que ele toma o ilustre público por um bando de trouxas.

Perguntado sobre a meta do superávit primário, ele foi mais cuidadoso, ao afirmar que o governo ‘trabalha’ para manter a meta de 3,8% do PIB. Em que consiste o trabalho? – há de perguntar um australiano pouco afeito a logorréia ministerial. A resposta é que não há definição quanto a uma eventual redução da meta ante a crise. Se for usado o PPI (projeto piloto de investimentos) o compromisso seria de 3,3%.

O Projeto Piloto de Investimentos – irmão mais velho do PAC, e apesar de primogênito, relegado a um aparente ostracismo – reuniria projetos de alto retorno, tão alto que as despesas a ele associados poderiam sair da conta de padeiro: Receitas – Despesas(antes dos juros)= superávit primário. Ou seja: basta enquadrar uns 14bi dentro do PPI – vamos tirar do PAC que não fará diferença – e pronto! Basta colorir as cédulas dedicadas ao investimento no PPI, e o fato de sair do ‘bolso’ nada significaria, pois virtualmente, as cédulas coloridas (sem trocadilho) continuam no ‘bolso’ devido aos méritos do gasto. Essa tese ousada já foi discutida com o FMI.

Além disso, ainda é possível utilizar o Fundo Soberano. Yes, nos temos Soberano! Orgulho de todos nós, o fundo foi criado retirando do superávit primário de 2008, 14,2 bi para aplicações de propósito múltiplo e de gosto discutível – ora se tratava de compra de participações em empresas estrangeiras, ora nacionais, ora financiar projetos – não há limite para os sonhos. Ocorre que não basta sonhar.

O superávit primário, em si pouco significa. Dá a medida do lucro operacional da Empresa Brasil, antes do pagamento dos juros da dívida. Por não ter sido suficiente para o pagamento da totalidade dos juros, a dívida do governo aumenta, mas como o PIB também aumenta, a relação dívida /PIB decresce, ou seja, o cadastro do devedor melhora. O cadastro, não o montante da dívida.

Qualquer aprendiz de açougueiro diria que o superávit primário é o filé com osso do qual removido o osso – os juros sempre foram um osso na garganta – resta o filé, o superávit nominal.

Estamos num caso raramente presenciado em açougues, mas comum nas contas brasileiras. Retirando o osso, some o filé. Ficamos devendo no açougue e continuamos vegetarianos, isto é pastando.

O que o ministro da Fazenda acena como possibilidade pode ser visualizado melhor em câmera lenta, pois as mágicas deixam de existir quando se aperta a tecla slow motion: considerar a parcela retirada do superávit primário de 2008 que não foi utilizada para pagar juros e foi guardada em contêiner refrigerado, onde naquelas condições transformou-se em FSB, retirar cuidadosamente esses 14,2 bi e, após descongelá-los… colocá-los gloriosamente na conta do superávit nominal de 2009.
Por sorte, não é bem assim que tudo se passa. O dinheiro não fica guardado, nem mesmo em se tratando do FUST, um saco de dinheiro bancado pelos usuários dos serviços de telecomunicações à espera de aplicação.

É possível apostar nas alternativas do senhor ministro? Claro que sim. Ganhando ou perdendo, já é sabido quem pagará!

Alexandru Solomon, formado pelo ITA em Engenharia Eletrônica e mestrado em Finanças na Fundação Getúlio Vargas, é autor de ´Almanaque Anacrônico`, ´Versos Anacrônicos`, ´Apetite Famélico`, ´Mãos Outonais`, ´Sessão da Tarde`, ´Desespero Provisório` , ´Não basta sonhar` e o recente livro/peça ´Um Triângulo de Bermudas`. (Ed. Totalidade). Confira nas livrarias Cultura (www.livrariacultura.com.br), Saraiva (www.livrariasaraiva.com.br), Laselva (www.laselva.com.br) e Siciliano (www.siciliano.com.br).| E-mail do autor: [email protected]

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112728 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]