A santa do pau oco

Logomarca do Jornal Grande Bahia.
Logomarca do Jornal Grande Bahia.

Como manda a receita do bom gourmet que ´´não se pode fazer omelete sem quebrar os ovos“, para vender o peixe também não basta apenas dividir no peso da balança. Tem que ter gogó, jogo de cintura e sebo nas canelas. E que dentro da famosa junção do ´´quase-modo“ pode gerar de tabela um ´´quase-tudo“, segundo filosofias indianas e que não tem nada a ver com aquela cultura que andam mostrando em horário nobre com um significado: ´´com quem vou ficar, sair, trair, coçar e recomeçar esta noite, heim, diga lá sábio guru Shankar (Lima Duarte)?“. Com ou sem turbante o Opash (Tony Ramos) não é Apache e que a sedutora Yvone (Letícia Sabetella) virou mesmo a arquivada Flora (´´Favorita“) até para o que plantaram de Interpol na novela da Glória Perez. Algo assim na bolsa de apostas de ´´Vestígios de um crime?“ (Blood Run, 1994). ´´Exagerado(s)“ quem cantou – e bem – foi o Cazuza. E que, salvo causos abusivos de algumas docerias que andam dando cabo de enxames de abelhas, enfeitar o bolo sem recheio pode tirar muito do açúcar misturado à farinha. O resto é baseado no romance ´´de quem?“ e das meras coincidências. Ou como ainda na trilogia da cópia, criador e dos navegantes da itinerante Mãe-web que transforma qualquer cabeleira do Zezé na mais bela das madeichas contra o vento. Pitbull é covardia…

Aliás, indianos produzidos em camarim tem tudo a mostrar, porém, um pacote inteiro a desejar. Comer o kibe cru, na seca, mostrando só o lado bonitinho, riquinho, arque-milionário, de repente, só mesmo sendo funcionário daquela agência financeira ´´AIG“, como no caso daqueles que tão bem conhecemos política e corretamente falando, tendo que colocar seus cargos à disposição. Abre aspas. Tal os afortunados do Congresso que precisam recuperar sua imagem ora feia na figurinha ´´preto e branco“, a começar pela devolução das horas extras (não trabalhadas, claro) em 10 vezes sem juros, já seria um bom começo. Fecha aspas. Os ricos, digo, os brutos também amam.

Agora quanto ao verdadeiro por quê do cravo ter brigado injustamente com a rosa, quem sabe exista aí uma nova praxe para o clássico que nunca saiu de moda: ´´o amor é lindo, mas tem seus espinhos“. Filosofei? Então, senta que lá vem um pouco mais da nossa insustentável leveza do ser no mundo televisivo antes visto somente como ´´telelágrima“, quando ainda essa caixinha de surpresas funcionava a válvulas e à base da manivela, como a minha. ´´Você ligava o aparelho horas antes e rezava para que funcionasse para ver seu ator principal, talvez o Chico Cuoco ou o Tarsício Meira dos anos 60´s, já com o lencinho de pano (o de papel não existia) no canto do olho e com o balde de água fria do lado.

Enfim, os boiadeiros do Paraíso chegaram! E com ele mais uma contada do explicando o inexplicado dos fazendeiros, dos forasteiros vestidos de Don Ruan e da ´´santinha“ inquieta, meu Deus!, que sonhava apenas cavalgar, cavalgar e cavalgar (sem mesmo que o remake fosse todo modernizado) ou que a estória do ´´Bicho Papão“ nem mais passasse por sua porteira em noite de lua cheia. É vero! É ver para crer que a escolinha da Malhação tem lá um quê de processo construtivo e que novos talentos virão. Lentos só aqueles que trabalham nas câmeras (ou seria Câmaras?) slow motion. O figurino das esquecidas divas ao som dos berrantes haverão que falar. Vai ter até o ´´filho do diabo“ que não usa chifre. Pelo menos em primeira instância, tudo bem? E que aquela outra cantada do ´´Minha terra tem palmeiras…`, ai minha Maria Rita (Nathalia Dill) e sinhá Rosinha (Vanessa Giácomo) e que podiam morar perto do meu roçado. E ai também da minha Maria Rosa (Fernanda Paes Leme) invejada dos pés a cabeça pela concorrência não só por ter estudado na cidade grande. Escultural? Daí outra vez em poder repetir um pouco mais do triângulo (ora em vias de ´´quadriângulo“) amoroso e que não vão ser apenas os originários bichos bois adeptos ao uso natural daquele acessório no alto da cabeça. Peão moderno tipo ´´matcho“ e ´´sunshine man“ , bom, o berrante está logo ali.

Em tempo! Nada a querer ´´maldar“ o que o nosso Comandante durante às vésperas do G20 nos EUA discursou com o número UM OBAMA em ele estar com um ´´GRANDE PEPINO“ nas mãos (o da crise, acham que eu ia deixar passar?), e antes que coloque aqui o meu cargo a disposição de um novo escriba dentro desse nosso humor picante, por certo ele saiu das terras de mister San com a ´´fome zero“. Talvez o remake da tal Paraíso devesse ser encenada, sim, com algumas tomadas ´´diretas-lá“ na humilde fazenda do Lula-filho. Sim, aquela que custou a bagatela de 47 milhões. Pra quem ganhava mil e quinhentos paus/mês no cartão de ponto, a multiplicação dos reais caiu de que CEU (ops) mesmo? Vai aí um espetinho de picanha, purinha? Nunca fui santa, eu, heim…

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112723 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]